Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Corte de gás da Bolívia é plano para prejudicar o governo, diz Bolsonaro

Para o presidente, há interesse eleitoral no movimento do país vizinho, que teria simpatia da própria Petrobras

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 23 Maio 2022, 22h02 - Publicado em 23 Maio 2022, 21h23

O presidente Jair Bolsonaro (PL) criticou nesta segunda a diminuição do fornecimento de gás natural da Bolívia para o Brasil e insinuou que a decisão é um plano do país vizinho — em conluio com a Petrobras — para prejudicar seu governo, ao mesmo tempo em que favorece eleitoralmente outros atores políticos.

“A Bolívia cortou 30% do nosso gás pra entregar pra Argentina. Como agiu a Petrobras nessa questão também? Parece que é tudo orquestrado. O gás, se tiver que comprar de outro local, é cinco vezes mais caro. Quem vai pagar a conta? E quem vai ser o responsável? É um negócio que parece orquestrado pra exatamente favorecer vocês sabem quem”, disse a apoiadores.

A atuação da Petrobras, inclusive, já desencadeou uma degola no comando da estatal. Na noite desta segunda, Bolsonaro decidiu indicar para o posto o auxiliar de Paulo Guedes na Economia, Caio Paes de Andrade, secretário de Desburocratização do governo. Ele substitui José Mauro Ferreira Coelho, empossado em abril — ele não resistiu porque era um nome indicado por Bento Albuquerque, já demitido por Bolsonaro.

A Petrobras diz que, ao longo do mês de maio, vem recebendo volumes de gás natural inferiores aos firmados em contrato com a boliviana YPFB, o que atinge diretamente o planejamento de operações da empresa.

Como a redução não era prevista, diz a companhia, a escassez no fornecimento implica na necessidade de importação de volumes adicionais de GNL para que sejam atendidos os compromissos de fornecimento da estatal.

O preço do gás natural tem disparado no mercado internacional — puxado, sobretudo, pelos desdobramentos da guerra entre a Rússia e a Ucrânia.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)