Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Risco Brasil já é 50% maior em 2021 e deve subir ainda mais até a eleição

VEJA Mercado: índice avalia o risco de se investir no país

Por Diego Gimenes Atualizado em 16 dez 2021, 16h58 - Publicado em 16 dez 2021, 16h56

PEC dos precatórios, estagnação da economia, inflação e crises política e institucional. Para os analistas, não faltaram fatores para o risco Brasil, ou CDS (Credit Default Swap) de 5 anos, explodir em 2021. Sem falar nas eleições, que já contaminam o ambiente de negócios brasileiro e devem obter ainda mais peso nessa conta no ano que vem. O índice é medido em pontos. Para se ter uma ideia, se o risco Brasil é de 100 pontos, o investidor precisa receber 1 ponto percentual a mais em um título do que ele receberia no Tesouro americano, que é o índice de referência. Atualmente, o risco Brasil é de 220,9 pontos, considerado alto, e representa um crescimento de 50% em relação ao início do ano. “O índice oscilou para baixo no início de dezembro, mas é uma redução mínima pois ainda está em um nível bem acima da média dos últimos anos, e revela que existe um grande receio de se investir no Brasil”, avalia Guilherme Zanin, analista da Avenue.

Mesmo os juros mais altos praticados pelo Banco Central não atraíram capital suficiente para, por exemplo, conter a alta do dólar no país, que está na faixa dos 5,70 reais, sobretudo após a decisão do Fed de acelerar o tapering e subir os juros americanos antes do que se esperava. Para 2022, a expectativa não é muito animadora. “É eleição na veia. Em 2018, o CDS chegou a bater 311 pontos, e deve chegar muito perto ou até ultrapassar esse número ao longo do próximo ano. O investidor já está preocupado com o cenário conturbado e polarizado da política, e o prêmio de risco fica ainda mais alto”, pontua Zanin.

Historicamente, o risco Brasil costuma ceder após a eleição pois a definição de um novo governo melhora a visibilidade para os próximos anos, mas até lá, a promessa é de bastante volatilidade.

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)