Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Ricardo Barros compra briga com fabricantes de bebidas nacionais

O deputado maringaense, líder do governo, trabalhou para aumento de cota para compras livres de impostos em free shops no Orçamento de 2022

Por Felipe Mendes 28 dez 2021, 10h42

A Associação Brasileira de Bebidas, a Abrabe, manifestou preocupação com o aumento da cota para compras livres de impostos em free shops terrestres de fronteira. A partir de 1º de janeiro, esse valor passa de 300 dólares para 500 dólares por passageiro. O projeto, que foi defendido pelo governo no Congresso, é visto com maus olhos pela categoria, que teme um “enorme prejuízo para fabricantes e importadores de bebidas alcoólicas, os quais já enfrentam a brutal e desleal concorrência de produtos contrabandeados de vários países”. Com a alteração do limite para compras no exterior, o Orçamento de 2022 autoriza uma perda de arrecadação de 39,8 milhões de reais.

Segundo a Abrabe, houve um aumento de quase 200% nas apreensões de bebidas alcoólicas ilegais no último ano, algo que afeta drasticamente o caixa das empresas que operam e atuam na legalidade no Brasil. “A Abrabe, desde já, aponta a gravidade deste cenário, especialmente quando o setor começa a se recuperar da pandemia, que obrigou o cessamento de festas e eventos”, diz trecho de nota enviada à coluna pela entidade. “A entidade ressalta ainda que é necessário considerar que o viajante terrestre muitas vezes reside perto da fronteira. O que torna ainda mais prejudicial o aumento da cota, uma vez que esse residente pode atravessar a mesma todos os meses e a consequência pode ser um eventual abastecimento de estabelecimentos que comercializam bebidas a partir dos free shops”, complementa.

A entidade diz ainda que “renunciar a receita de tributos sobre importados para dar lugar a uma competição ainda mais acirrada entre as indústrias e importadores versus o mercado ilegal é um risco para o qual a Abrabe ressalta que o Ministério da Economia não pode fechar os olhos e nem aprovar”. Nas últimas semanas, o deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo, comemorou os “avanços” no Orçamento ao lado do prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro (PSD). O munícipio, que faz fronteira com a Argentina e o Paraguai, acredita que o ‘gap’ impulsionará o turismo da região.


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês