Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico

Por Pedro Gil
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Por que os bancos dormem tranquilos com a “perda” de receitas por Pix

Usada como mote por apoiadores do presidente para justificar manifesto de banqueiros, modalidade garante novas frentes para setor

Por Victor Irajá Atualizado em 26 jul 2022, 16h45 - Publicado em 26 jul 2022, 15h31

Na mira de bolsonaristas por causa do manifesto da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) em conjunto com a Federação Brasileira de Bancos, a Febraban, os principais bancos do Brasil dormem tranquilos com a consolidação do Pix como um dos principais meios de pagamentos do país. No primeiro trimestre de 2022, os quatro maiores bancos do Brasil tiveram o maior lucro da história. Juntos, Santander, Bradesco, Itaú e Banco do Brasil registraram lucro líquido de 24,3 bilhões de reais entre janeiro e março. No ano passado, é verdade, os bancos tiveram 25,4 bilhões em receitas com serviços de conta corrente, queda de 5,7% em relação ao ano anterior — 1,5 bilhão de reais — com as transações. Como mostra o lucro das instituições, o valor, apesar de significativo, não é determinante. 

A consolidação do novo sistema de pagamentos virou mote para as instituições oferecerem novos produtos e serviços, como linhas de crédito baseadas exatamente no Pix. O Santander, por exemplo, lançou uma modalidade de parcelamento via a modalidade com taxas de juros de mais de 2% ao mês. Nesta terça-feira, 26, o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, associou o manifesto à iniciativa do Banco Central (BC). “O Banco Central independente coloca em prática o Pix, que por ano transferiu mais de 30, 40 bilhões de reais de tarifas que os bancos ganhavam a cada transferência bancária e hoje é de graça”, disse Nogueira. A deputada bolsonarista Carla Zambelli deu coro à cantilena no Twitter.


Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.