Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Victor Irajá
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Os duros recados de Sergio Zimerman ao Congresso e ao Banco Central

VEJA S/A: fundador e presidente da Petz questiona efeitos da reforma tributária sobre população de baixa renda e afirma que houve exagero por parte do BC

Por Diego Gimenes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
30 nov 2023, 11h31

Não faltaram críticas à tramitação da reforma tributária no Congresso e à condução da política monetária brasileira pelo Banco Central por parte de Sergio Zimerman, fundador e presidente da varejista Petz. Em entrevista ao programa VEJA S/A, o empresário criticou os regimes especiais a alguns setores da economia previstos pelo texto da reforma tributária e afirmou que o Brasil perdeu a chance de alinhar seu sistema ao de países desenvolvidos. “Veja a vergonha que acontece agora de todos os estados aumentarem o ICMS. Não é o comércio e nem a indústria quem vão pagar imposto maior, quem vai pagar é a sociedade”, disse. “Os deputados e senadores foram eleitos pelo povo. Por que eles não protegem o povo na hora de fazer a reforma e preferem proteger meia dúzia de lobbys de setores diferentes para criar exceções? A reforma tributária não representa nenhum tipo de avanço em melhorar a condição socioeconômica do Brasil”, concluiu.

A respeito da política monetária, o empresário afirmou que o Banco Central poderia ter cortado as taxas de juros de acordo com a curva de desaceleração da inflação e que o início tardio do ciclo teve efeitos danosos na economia. “Existem méritos indiscutíveis sobre o combate que foi feito à inflação. A minha percepção é que se exagerou no tempo para começar a regressão, e isso custa bastante para o país. Custa empregos e custa para as empresas endividadas”, disse. “Juros altos são outro fator de concentração de renda porque quem paga mais juros é o pobre e quem recebe mais juros é o investidor que tem sobras para emprestar dinheiro para os bancos. Acho que houve exagero na dose e que poderíamos estar colhendo resultados melhores na economia se tivesse começado antes”, concluiu.

Siga o Radar Econômico no Twitter

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.