Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Victor Irajá
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Na mira da PF, empresa dava prêmios em balões para quem captava dinheiro

Investigação contra a PetraGold já envolve R$ 300 mi bloqueados e busca em casa do dono

Por Felipe Erlich
Atualizado em 7 dez 2023, 15h24 - Publicado em 7 dez 2023, 13h32

A PetraGold, empresa carioca que opera no mercado de capitais, entrou na mira da Polícia Federal (PF) por suspeita de crimes financeiros e lavagem de dinheiro, em operação deflagrada na quarta-feira 6. Como mostrou o Radar Econômico, o trabalho de parte dos assessores de investimento da companhia teria sido utilizado para orquestrar um sofisticado esquema de pirâmide, segundo clientes que não conseguem resgatar valores aplicados há anos. A fim de incentivar a captação dos maiores montantes possíveis pelos assessores, hoje sob suspeita criminal de terem sido desviados, a PetraGold organizou um curioso sistema de premiações.

Balões azuis e dourados cheios de dinheiro foram fixados no teto do escritório da empresa e, quem captasse um aporte de ao menos 5 mil reais, tinha direito de estourar um. Assim, o felizardo se banhava em dinheiro. Os prêmios variavam progressivamente conforme o montante que os assessores traziam para a companhia. 5 mil a 50 mil reais davam o direito de estourar um balão azul escuro. 50 mil a 100 mil reais, um balão azul claro. Mais de 100 mil reais rendiam um almejado balão dourado. Agora, o clima de festa na empresa ficou para trás, visto que a 8a Vara Federal Criminal do RJ determinou o sequestro de 300 milhões de reais em bens de Eduardo Monteiro Wanderley, dono da PetraGold, e demais investigados.

Premiação com balões na PetraGold: incentivo para quem captar mais em suposto esquema criminoso
Premiação com balões na PetraGold: incentivo para quem captasse mais em suposto esquema criminoso (Reprodução/Reprodução)

Agentes da PF também cumpriram um mandado de busca e apreensão na casa de Wanderley. Sob seu comando, a PetraGold realizou investimentos em espaços culturais e esporte, o que a PF classificou como uma tentativa de difundir o nome da companhia. Foi comprado um teatro na abastada região do Leblon, batizado de Teatro PetraGold, e a empresa patrocinou os museus de Arte Moderna (MAM) e de Arte do Rio (MAR). Com o desdobramento da operação da PF, apelidada de Lóris, expoentes da empresa poderão responder pelos crimes de lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira e emissão ilegal de debêntures. A pena pode chegar a 30 anos de reclusão.

Siga o Radar Econômico no Twitter

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.