Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Ministério Público defende que FGC pague R$ 4 bi ao banco Cruzeiro do Sul

Instituição que está em falência alega que fundo garantidor não aportou recursos devidos em contrato e que BEM DTVM não cobrou pelos aportes

Por Josette Goulart 16 fev 2022, 15h10

Depois de 10 anos desde a sua liquidação, o caso do banco Cruzeiro do Sul teve uma reviravolta impressionante. O banco falido, assessorado pelo escritório Galdino & Coelho, pediu no começo do ano passado uma indenização de 4,3 bilhões de reais do Fundo Garantidor de Crédito e da BEM Distribuidora, administradora de recursos do grupo Bradesco. Basicamente, os acionistas do Cruzeiro do Sul argumentam que o FGC não cumpriu integralmente um contrato feito, antes da liquidação do banco, em que se comprometeu a fazer aportes em um fundo, chamado fundo ABC, que daria liquidez ao Cruzeiro do Sul. Com a liquidação, o FGC deixou de depositar parte do dinheiro, que corrigida valeria hoje 4,3 bilhões de reais. Já a BEM não teria cumprido sua função como administradora de cobrar os aportes por parte do FGC.

No processo, o FGC alega que com a liquidação não teria mais obrigação de financiar o banco. Já a BEM alega que o banco quebrou porque seus controladores, Luis Felippe e seu filho Luis Octavio Índio da Costa, cometeram fraudes. O administrador judicial da massa falida entende que a indenização é devida. E para surpresa de todos, o Ministério Público de São Paulo se manifestou na semana passada no processo e em seu parecer diz que concorda que o FGC está inadimplente em 4,3 bilhões com o banco e que a administradora não cumpriu o seu papel de cobrar os aportes. O caso agora está por conta do juiz da falência, Marcelo Sacramone. Se a Justiça concordar com o pleito do Cruzeiro do Sul, será um dos raros casos em que todos os credores vão receber seu dinheiro de volta e ainda sobrará recursos para os ex-controladores. 

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês