Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Caminhoneiros já começam a parar por conta da alta de 25% no óleo diesel

Categoria diz que não tem como rodar se frete não acompanhar alta do combustível

Por Josette Goulart Atualizado em 11 mar 2022, 14h41 - Publicado em 10 mar 2022, 20h43

A paulada de 25% nos preços do óleo diesel, anunciada nesta quinta-feira, 10, pela Petrobras, já começa a causar efeitos. “Meu modo de reagir é não trabalhando”, disse Iliseu Kosooski, um dos líderes de caminhoneiros mapeados pelo ministério da Infraestrutura no movimento que fechou rodovias no ano passado. Iliseu atua carregando carga agrícola no Centro-Oeste do país. Não é greve, não é fechamento de rodovias, simplesmente os caminhoneiros não vão trabalhar no prejuízo. Outro líder, Fábio COD12, como é conhecido o caminhoneiro que atua na região do Vale da Paraíba, diz o mesmo: “Paralisação de rodovias não!!! Mas muitos caminhoneiros não vão carregar por estes dias, vamos ficar parados em  casa”, disse ele à coluna.  Alguns caminhoneiros, que estão longe de casa, já falam até na possibilidade de deixar o caminhão estacionado e ir para casa de ônibus. Lá de Santa Catarina, o líder Luciano Regis diz que a categoria vai fazer reunião nesta sexta-feira, 11. Mas ele também reforça o coro: “nos patamares dos preços dos combustíveis atuais, está inviável continuar”.

Isso significa que a categoria parece estar desistindo de brigar pela queda dos preços dos combustíveis, como fizeram em 2018 quando pararam o país, e vão pressionar quem paga o frete. Para eles pouco importa se o preço do combustível chegar a 100 reais, desde que o frete cubra este gasto. Na prática, o aumento do óleo diesel vai causar um efeito em cadeia. Sobe o diesel, sobe o frete, sobe o preço dos alimentos e todo o resto que é transportado por caminhão pelo país. E não será auxílio caminhoneiro que vai mudar este panorama, já que este tipo de vale cobre parte irrelevante do custo destes caminhoneiros com combustível por carga transportada. Na parte legislativa, o Senado aprovou nesta quinta-feira projeto que altera a cobrança de ICMS e outro projeto que cria um fundo que estabiliza os preços. Mas os dois projetos precisam passar pela Câmara. 

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)