Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico

Por Pedro Gil (interino)
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Apex reúne empresários na Flórida por investimento estrangeiro

Evento contou com mais de 150 investidores e representantes consulares interessados em colocar dinheiro no Brasil

Por Pedro Gil Atualizado em 9 Maio 2024, 19h59 - Publicado em 20 nov 2023, 14h34

O investidor brasileiro descobriu a Flórida. Agora a Flórida precisa descobrir o Brasil. A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) reuniu, em parceria com a Central Florida Brazilian American Chamber of Commerce, Kroll e BVA Advogados, mais de 150 empresários e representantes consulares em Orlando, na Flórida. O evento, que ocorreu na quarta-feira, 15, tratou de discutir a performance da economia brasileira e seus desafios para 2024. “O Brasil está aberto a negócios”, diz Alexandre Pierantoni, diretor e head de finanças da Kroll. 

O Brasil esta bem posicionado globalmente, marcado pela instabilidade da política monetária dos Estados Unidos, com aumento da taxa de juros e custo de capital, guerras e a desaceleração da China. “O Brasil  será o país com menor queda das atividades de fusões e aquisições do mundo, com aproximadamente 7% e mantendo patamar recorde de cerca de 1 600 transações anunciadas no ano”, diz Pierantoni. Globalmente, são cerca de 42 mil operações desse tipo por ano, mas estão em queda de 15%. Na América Latina, o tombo é ainda maior: 34%. “As potencialidades do Brasil nos transformaram em uma oportunidade singular para investimentos em infraestrutura, tecnologia, e energias renováveis”, diz Felipe Barreto, da Barreto Veiga Advogados. “O ambiente legal e regulatório do país se fortaleceu ao longo dos últimos anos, em especial por conta da Lei da Liberdade Econômica, Marco Legal do Saneamento, Marco Regulatório da Geração Distribuída e a tão aguardada Reforma Tributária”, completa. 

No encontro, os setores que mais chamaram atenção do investidor estrangeiro foram Infraestrutura, Serviços, Tecnologia e, evidentemente, agronegócio. “Os setores de produtos de consumo e industriais continua relevante e atrativo. A cauda será mais longa no setor de varejo, que continuará ainda impactados pelo custo de financiamento, combinado com ainda alto endividamento da população”, diz Pierantoni. 

Em 2023, o mercado de capitais engatinhou. Foram 18 follow-ons e, até outubro, 30 bilhões de reais em movimentação. O recorde do Brasil, no auge de liquidez de 2021 (e a custo de capital baixo) foi de 76 IPOs e follow-ons, movimentando mais de 127 bilhões de reais. “O Brasil conseguiu antecipar alguns movimentos e estamos numa curva de recuperação e busca da normalidade à frente de outros países, mas os desafios internos continuam: olhar o caixa é sempre importante, mas o país está olhando muito para o ângulo arrecadação e menos ao da despesa”, completa Pierantoni.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.