Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

A debandada da equipe econômica e a turma do “deixa disso”

VEJA Mercado: sinal é de que mercado volte a estressar nesta sexta-feira, mas já tem gente contemporizando

Por Josette Goulart 22 out 2021, 08h44

VEJA Mercado | Abertura | 22 de outubro.

Se ontem o mercado estressou repercutindo a “licença para gastar” do ministro Paulo Guedes, hoje será dia de repercutir a debandada da equipe econômica. Quatro secretários pediram demissão no noite de ontem, entre eles o que era considerado pelo mercado como o fiador do rigor fiscal: Bruno Funchal, até então secretário do Tesouro. Durante o dia ontem o governo apresentou uma alternativa. Em vez de furar o teto para pagar um novo Bolsa Família a 400 reais, mudar o teto de gastos via PEC dos precatórios.

Na reta final do pregão, quando este texto foi inserido no texto da PEC, o mercado reduziu as perdas e a bolsa que chegou a cair 4,5%, fechou com queda de 2,75%. O dólar foi a 5,66 e os juros futuros subiram. Mas a demissão de Funchal, logo na sequencia, pode dar a entender ao mercado de que o arranjo pode significar um descontrole  fiscal. O ETF MSCI Brazil Capped, que replica os ADRs de empresas brasileiras no mercado americano, caía 1% nesta manhã. Ontem, caiu mais de 4%. Mesmo caindo menos, o sinal, por enquanto, é de que os mercados devem ter mais um dia negativo pela frente.

Mas a turma do “deixa disso” já começou a operar no mercado. São empresários, banqueiros, consultores, políticos que começam a contemporizar. Furar teto é agir sem pedir licença e que o governo está pedindo licença, dizem eles. Que os gastos serão apenas transitórios, não permanentes. Que o mercado financeiro exagera porque sempre alguém quer ganhar dinheiro. Que o Bruno Funchal foi um traidor do país e não devia ter deixado o governo. Os discursos são variados e fatalmente em algum momento o mercado vai absorver a notícia e seguir a vida. O fato é que não há como não ter uma correção do Bolsa Família em meio à pobreza.

E se a estratégia do governo der certo e a PEC dos Precatórios for aprovada na Câmara e no Senado – casa em que o governo tem tido dificuldades para aprovar qualquer coisa – vai sobrar dinheiro até para aumentar as emendas de relator para parlamentares gastarem em seus currais eleitorais no ano que vem. Emendas regidas pelos presidentes da Câmara e do Senado. E Bolsonaro ainda poderá aumentar e criar outros programas sociais. Em ano de eleição, ter quase 90 bilhões extras no Orçamento não é para qualquer um.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês