Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Radar Econômico Por Victor Irajá Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich

A ameaça dos policiais federais a Bolsonaro 

Presidente quebra promessa e quer fazer nova promessa

Por Josette Goulart Atualizado em 18 abr 2022, 18h26 - Publicado em 14 abr 2022, 18h30

Depois de reservar parte do Orçamento para dar um reajuste de até 30% a policiais, a revolta generalizada dos servidores levou o governo a recuar. Agora Jair Bolsonaro sugere que se dê um reajuste linear de 5% para todos os servidores e o ministro Paulo Guedes está tentando achar orçamento extra para encaixar todo mundo. Mas a notícia espalhada pelo Planalto foi a gota d’água para a principal associação dos policiais federais, que se revoltou e ameaçou: “Os delegados federais não aceitarão calados esse desrespeito”. Isso é a só a ponta do iceberg, dizem alguns delegados.

Revolta gera revolta. A dos policiais federais, no fundo, é muito parecida com a dos outros servidores e causada pelo sucateamento do serviço público. Os policiais reclamam que nem sequer possuem plano de saúde e ganham uma diária de 180 reais para pagar hotel e alimentação quando viajam a serviço. Só a título de comparação, os procuradores do Ministério Público ganham uma diária de 1.800 reais. 

O presidente quer convencer os policiais de que está sendo impedido de dar os reajustes merecidos pela categoria, mas que depois de outubro tudo será diferente. No Planalto, o entorno de Bolsonaro garante que o presidente tem o apoio eleitoral em massa dos policiais e que o reajuste para todos os servidores ainda ganha um extra em categorias que não teriam nada neste ano. Já os policiais federais dizem que Bolsonaro já quebrou duas promessas públicas que fez, e para quebrar mais uma, que nem é pública, é ainda mais fácil. Na próxima semana, a categoria fará assembleia para decidir que tipo de manifestação deve fazer. Os policiais são proibidos por lei de fazer greve. 

*Quer receber alerta da publicação das notas do Radar Econômico? Siga-nos pelo Twitter e acione o sininho.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)