Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Neuza Sanches

Por Neuza Sanches
Negócios, Mercados & Cia
Continua após publicidade

Telefonia móvel: o desafio de desativar as linhas 2G e 3G

A Anatel planeja o desligamento dos sistemas, que o setor quer fazer de forma gradual; impacto é estimado em R$ 20 bi, e custo pode sobrar para o consumidor

Por Neuza Sanches Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 11h06 - Publicado em 25 mar 2024, 08h00

O setor de telefonia móvel tem pela frente um desafio que poderá impactar a economia no setor. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) conduz uma consulta pública para planejar o desligamento das redes de telefonia móvel 2G e 3G, que ainda são responsáveis por mais de 20% das conexões no País, segundo dados do setor. Apesar de serem consideradas tecnologias ultrapassadas, elas ainda são essenciais para o funcionamento de dispositivos amplamente utilizados no setor empresarial, como máquinas de cartão de crédito e débito e rastreadores veiculares.

Especialistas do setor calculam que a migração de linhas hoje vinculadas ao 2G e 3G para o 4G custaria, no mínimo, R$ 100 por aparelho. Como existem cerca de 20 milhões de linhas ativas no momento, o gasto para realizar a troca seria da ordem de R$ 2 bilhões – sem contar os equipamentos que também terão de ser substituídos por não estarem alinhados à nova tecnologia. Números da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica indicam que em 817 cidades brasileiras ainda há uma dependência significativa dos sinais 2G e 3G, e muitos dispositivos vendidos nessas áreas são projetados para essas tecnologias.

O setor solicitou incentivos para uma transição gradual, que a Anatel começou a planejar em outubro do ano passado. A Associação Nacional das Operadoras Celulares (Acel) defende que o processo de desligamento das redes 2G e 3G deve começar com o fim da homologação de equipamentos e ocorrer ao longo dos próximos cinco anos, liberando faixas de frequência para as gerações futuras. A ideia aqui é minimizar impactos negativos.

Já a indústria vê oportunidades de novos negócios. Para Marcio Fabozi, CEO da Allcom Telecom, o 2G foi fundamental para o desenvolvimento das telecomunicações, mas com a chegada do 4G e do 5G o ideal seria desativar o 2G para liberar recursos para tecnologias mais eficientes. “Antecipar-se é estratégico, pois permite margem para ajustes e imprevistos que possam surgir durante o processo de transição. O engajamento precoce nesse processo garantirá que as empresas estejam na vanguarda da inovação tecnológica, preparadas para enfrentar os desafios e colher os benefícios dessa transição”, diz ele.

Continua após a publicidade

É fácil entender que a modernização da infraestrutura de telecomunicações no Brasil pode representar uma oportunidade para melhorar a conectividade e impulsionar a economia digital. A questão que alguns especialistas levantam é como fazer essa transição sem prejudicar os usuários, especialmente as pequenas empresas e aqueles que estão em regiões menos desenvolvidas. E evitar que o consumidor final pague essa conta. Aqui, você encontra argumentos contra e a favor da mudança de faixas:

Vantagens do desligamento

  1. Aproveitamento de avanços tecnológicos: a transição para redes mais modernas, como o 4G e o 5G, vai permitir taxas de transferência de dados mais rápidas, latência (velocidade que os pacotes de dados levam para chegar no destino e retornar) menor e melhor desempenho geral. Isso deve apoiar o crescente aumento da demanda por internet de alta velocidade e dispositivos IoT (a chamada “internet das coisas”) em diversas indústrias;2. Redução de custos operacionais: redes mais antigas, como o 2G e o 3G, consomem mais energia e representam custos operacionais mais altos para as operadoras de telecomunicações;3. Promoção da inovação e modernização: o encerramento das redes 2G e 3G deve incentivar as empresas a modernizar suas operações e adotar tecnologias de ponta.

Desvantagens do encerramento das redes 2G e 3G:

  1. Possíveis interrupções de serviço: a transição pode causar interrupções temporárias de serviço, afetando usuários que ainda dependem das redes 2G e 3G. Isso é particularmente relevante para certas indústrias e regiões onde as redes 2G e 3G ainda são amplamente utilizadas;2. Custos de modernização de equipamentos: a atualização para redes mais recentes pode exigir investimentos significativos em infraestrutura, como substituição de equipamentos obsoletos e treinamento de pessoal para operar sistemas modernos. Isso pode representar um desafio financeiro para algumas empresas e indivíduos;3. “Apagão” na conexão regional: regiões do País com acesso limitado às redes avançadas podem enfrentar lacunas de conectividade durante a transição. Isso pode agravar a divisão digital e dificultar o acesso a serviços essenciais para as comunidades afetadas.
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.