Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Neuza Sanches

Por Neuza Sanches
Negócios, Mercados & Cia
Continua após publicidade

Leniência: acordo pode dar fôlego a empresas envolvidas com a Lava Jato

Ministro do STF estabelece prazo para a renegociação de dívidas bilionárias com o governo; a questão é como fica a situação dos controladores das empresas

Por Neuza Sanches Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 11h38 - Publicado em 4 mar 2024, 08h00

As empresas envolvidas na Lava Jato, que fará 10 anos no próximo dia 17, podem agora ter novo fôlego financeiro ao renegociar seus acordos de leniência, obedecendo a diretrizes fixadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal André Mendonça. Ele autorizou que as empresas punidas durante a operação tenham a oportunidade de repactuar os termos dos acordos com o governo federal. Essas empresas têm agora prazo de 60 dias para essa renegociação, durante o qual os pagamentos das multas acordadas ficarão suspensos. 

Essa renegociação dos acordos de leniência faz parte de um processo mais amplo que envolve a discussão sobre as cláusulas adotadas nos acordos celebrados na Operação Lava Jato. O ministro Mendonça é relator de uma ação que analisa esses parâmetros e busca garantir uma revisão mais abrangente dos termos firmados entre o Estado e as empresas envolvidas.

Ao todo, são 11 leniências que poderão ser renegociadas, totalizando cerca de R$ 17 bilhões em acordos firmados com órgãos do governo Lula 3. Os envolvidos – empresas dos mais diversos setores e governo federal – têm agora de encontrar um meio termo para o pagamento das multas. O fato é que, se essas multas fossem pagas integralmente, poderiam levar à bancarrota boa parte dessas companhias, dada a discrepância com a realidade do mercado empresarial. Discrepância essa apontada por muitos ministros da Suprema Corte, que discordam, nos bastidores, dos valores das multas dadas às companhias.

No entanto, o acordo não será fácil. Isso porque, o  governo federal busca arrecadar o máximo possível para suprir seus gastos, evitar assim aumento no deficit, e cumprir minimamente a política fiscal “zero”, algo que o próprio mercado financeiro já precificou como praticamente impossível. Surge, então, a questão que até agora não foi respondida: as empresas estão sendo punidas, mas e os responsáveis por esses atos (controladores e executivos), também serão responsabilizados individualmente e terão de colocar a mão no próprio bolso?

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.