Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Neuza Sanches Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Neuza Sanches
Negócios, Mercados & Cia
Continua após publicidade

FGTS: o que está em jogo na correção das contas pela inflação

STF abre polêmica entre os que defendem a manutenção do poder de compra do fundo e aqueles que veem prejuízos para o setor imobiliário, com aumento de juros

Por Neuza Sanches Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 20h09 - Publicado em 13 nov 2023, 08h00

Em julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente do colegiado, ministro Luís Roberto Barroso, defendeu que a correção do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) não deve ser inferior ao rendimento pago pela caderneta de poupança. Pela proposta de Barroso, que é o relator do caso, a mudança seria aplicada a partir de 2025. O voto gerou discussões sobre as vantagens e desvantagens da medida nos setores público e privado, principalmente no caso dos que se beneficiam dos funding subsidiados como as construtoras e incorporadoras e a Caixa Econômica Federal.

FGTS é um fundo mantido em nome do trabalhador formal (com carteira assinada) para o qual o empregador tem de transferir mensalmente uma porcentagem do salário bruto do funcionário. Hoje, o retorno do FGTS é de 3% ao ano mais a TR (que tem ficado próxima de zero).

Independentemente da discussão sobre se caberia ou não ao STF mexer com essa questão, em vez do Legislativo, é preciso avaliar a argumentação de quem defende e de quem considera a medida prejudicial a médio e longo prazos para o setor habitacional. O principal argumento dos defensores da mudança na forma de correção é que o FGTS tem ficado abaixo da inflação, deixando de repor as perdas do trabalhador. Esse grupo aponta ainda:

  • Manutenção do poder de compra: a correção inflacionária manteria o valor real do dinheiro, evitando a desvalorização do seu poder de compra ao longo do tempo;
  • Equilíbrio contratual: a correção inflacionária pode ser usada para manter o equilíbrio contratual em contratos de longo prazo como financiamentos imobiliários; e
  • Neutralidade fiscal: a correção inflacionária pode evitar que a tributaçãoincida sobre valores que não representam ganhos reais.

Por outro lado, os críticos também não economizam nas explicações. “É ruim de toda forma, pois ficou no meio termo com a possibilidade de correção sugerida pelo Barroso”, afirma um grande empresário do setor. “Vai impactar toda a cadeia de imóveis para a maioria dos brasileiros. Perderão o setor privado, o governo e também a Caixa, além dos próprios trabalhadores”, afirma outro empresário.

Continua após a publicidade

A explicação é que o aumento da remuneração dos cotistas do FGTS vai implicar, necessariamente, aumento nas taxas de juros dos financiamentos imobiliários que usam recursos (funding) do próprio FGTS. No orçamento deste ano, o fundo reservou mais de R$ 68 bilhões para operações do setor. Haveria impacto direto nos contratos mantidos pela Caixa que atrelam o custo do financiamento à correção do FGTS. O governo já ligou o sinal de alerta, e tenta costurar uma outra saída para o tema – que também cruza o interesse político de parlamentares e sindicatos.

Outras desvantagens apontadas pelos críticos:

  • Custo: a correção inflacionária pode aumentar o custo de alguns produtos e serviços, já que os preços precisam ser atualizados;
  • Complexidade: a correção inflacionária deverá ser complexa de calcular e implementar, em especial nos contratos de longo prazo; e
  • Impacto na economia: a correção inflacionária pode ter impacto na economia como um todo, afetando a inflação e a taxa de juros.

Está em jogo a redefinição se o FGTS vira uma espécie de investimento como a poupança; ou se continua – como a própria nomenclatura define – um fundo garantidor para o trabalhador formal. A sorte está lançada para a maioria dos brasileiros desejosos pelo financiamento da casa própria.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.