Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Murillo de Aragão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Murillo de Aragão
Continua após publicidade

O marco da reforma tributária

O esforço conjunto pode resultar em avanços extraordinários

Por Murillo de Aragão
19 nov 2023, 08h00

O avanço da reforma tributária no Congresso Nacional merece uma análise detalhada e específica. Ignorando por um momento os detalhes da proposta, só o fato de ela ter sido aprovada tanto pela Câmara quanto pelo Senado — embora ainda aguarde o aval dos deputados ao fim da tramitação — representa um marco extraordinário.

Desde a década de 1980, quando comecei a acompanhar o debate legislativo no país, a reforma tributária sempre esteve em um vaivém constante na agenda política. Houve ocasiões em que mudanças pontuais foram aprovadas, mas invariavelmente elas favoreciam o ente arrecadador central, a União, em detrimento de uma mudança mais ampla e abrangente.

O cenário para a aprovação da atual reforma tributária é particularmente notável, dado que o Poder Executivo já não exerce a mesma influência dominante de antes no processo decisório. Notável foi a habilidade com que a equipe de Fernando Haddad navegou em um ambiente complexo e repleto de interesses divergentes. Embora o resultado final possa não ser perfeito, é importante lembrar que, muitas vezes, buscar a perfeição pode ser um obstáculo para alcançar o bom.

Dentro do Senado, Rodrigo Pacheco demonstrou uma liderança política extraordinária ao acelerar a aprovação da reforma tributária, encaminhando-a de volta à Câmara dos Deputados em uma forma quase finalizada. Na Câmara, Arthur Lira deverá repetir o desempenho eficiente do primeiro semestre, conduzindo a proposta rapidamente à votação no plenário. Provavelmente, teremos a reforma promulgada este ano no Congresso Nacional.

Continua após a publicidade

“Apesar de não agradar a todos, o debate continuado dará oportunidades para os ajustes necessários”

Merecem amplo reconhecimento também Aguinaldo Ribeiro e Eduardo Braga, relatores da proposta na Câmara e no Senado, respectivamente. Ambos desempenharam um papel crucial ao construir consensos em torno de agendas complexas, em meio a um emaranhado de interesses conflitantes.

A tramitação da reforma tributária é, sem dúvida, um feito histórico por diversos motivos. Ela promete impulsionar significativamente o crescimento econômico do Brasil, com estimativas de que o PIB possa crescer até 12% nos próximos anos, refletindo diretamente na renda dos brasileiros. O sistema tributário, atualmente complexo e opaco, será simplificado, com uma cobrança única de impostos, proporcionando maior transparência e compreensão para o consumidor sobre a carga tributária efetiva.

Continua após a publicidade

Essas transformações são essenciais para o desenvolvimento econômico do país, criando um ambiente mais favorável ao investimento, geração de empregos e atenuação das desigualdades sociais e regionais. Apesar de a reforma não agradar a todos, o debate continuado sobre a regulamentação das medidas constitucionais dará oportunidades para os ajustes e correções necessários.

Enfim, a reforma tributária reflete a existência de um Congresso que não abandonou o ímpeto reformista e que, pelo seu protagonismo, confirma a existência de um semiparlamentarismo de coalizão no qual o esforço conjunto dos poderes na busca de pautas consensuais pode resultar em avanços extraordinários.

Publicado em VEJA de 17 de novembro de 2023, edição nº 2868

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.