Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega

Por Coluna Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

Recessão global no horizonte

O Brasil dificilmente escapará de seus efeitos

Por Maílson da Nóbrega Atualizado em 4 jun 2024, 11h24 - Publicado em 17 jul 2022, 08h00

A percepção de piora da economia mundial cresceu recentemente quando o euro foi cotado abaixo de 1 dólar, fato não visto desde 2002. O gatilho foram os sinais de risco de recessão na Alemanha, com potencial de contagiar os demais países europeus. Os Estados Unidos podem enfrentar a mesma situação.

Na origem desse processo está a pandemia de Covid-19. O fechamento prolongado da economia de países asiáticos afetou a cadeia mundial de suprimentos. Partes, peças e componentes — especialmente os eletrônicos — escassearam no mundo inteiro, reduzindo a produção de bens manufaturados ao redor do globo.

Concomitantemente, as medidas destinadas a deter a disseminação do vírus diminuíram o consumo de serviços, em especial os que exigem contato pessoal. O turismo despencou. A poupança pessoal se elevou. Parte desses recursos foi utilizada na compra de bens de consumo duráveis, aumentando sua demanda de forma que o sistema de transporte marítimo e os portos em países ricos ficaram congestionados. O frete multiplicou-se por cinco.

Com o correspondente aumento de custos, a inflação subiu. A pandemia fez cair a atividade econômica, obrigando a maioria dos países a criar programas de amparo aos segmentos menos favorecidos, entre eles medidas para minimizar a queda do emprego. Os bancos centrais cortaram a taxa de juros e aumentaram a liquidez da economia. No Brasil, a taxa Selic caiu a inéditos 2%.

“Diante do aumento dos juros, há quem estime em 40% a possibilidade de recessão nos Estados Unidos”

Continua após a publicidade

Muitas nações elevaram também o dispêndio público em infraestrutura. Ao todo, os Estados Unidos devem gastar mais de 6 trilhões de dólares, o equivalente a 30% do PIB. Foi possível evitar as piores consequências econômicas e sociais da pandemia, mas o efeito combinado do aumento de custos e das ações monetárias e fiscais — processo potencializado com a guerra da Ucrânia — resultou na volta de uma inflação que não se via fazia muito tempo. É a maior dos últimos quarenta anos nas nações avançadas. A reação dos bancos centrais, a começar pelo Federal Reserve americano, foi aumentar a taxa de juros, o que deve continuar nos próximos meses. Diante desse quadro, há quem estime em 40% a possibilidade de recessão nos Estados Unidos. Há apostas mais pessimistas. Na Europa, mais perto do conflito na Ucrânia e mais dependente do fornecimento de gás pela Rússia, as previsões são mais sombrias.

No Brasil, os efeitos dessa crise devem-se dar de duas formas. Primeira, pelas incertezas, que reduzirão os investimentos estrangeiros em empresas e no mercado financeiro. Segunda, pela queda das exportações e dos preços de produtos exportáveis. Isso acarretará perda dos termos de troca e do potencial de crescimento da economia. O dólar ficará mais caro, impactando a inflação e a atividade econômica. Provavelmente, haverá queda do ritmo da economia neste semestre e no próximo ano.

A economia brasileira tem-se mostrado resiliente, mas dificilmente escapará dos efeitos de uma recessão mundial. O próximo governo não terá vida fácil.

Publicado em VEJA de 20 de julho de 2022, edição nº 2798

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.