Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega

Por Coluna
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

Por que os juros são altos

Parte da explicação está na incerteza de equilíbrio das contas

Por Maílson da Nóbrega Atualizado em 13 Maio 2024, 21h15 - Publicado em 9 set 2023, 08h00

É comum ver comparações equivocadas entre a taxa de juros básica no Brasil e as de outros países. Não se levam em conta diferenças fundamentais entre distintas economias, nem o significado da potência da política monetária, isto é, o poder de sua influência sobre o crédito.

Quando a inflação sobe, as competentes equipes técnicas do Banco Central, baseando-se em modelos robustos e na experiência, assessoram o Comitê de Política Monetária (Copom) em como reagir. Se a decisão for por aumentar a Selic, o objetivo será reduzir o consumo e o investimento, esfriar a demanda, arrefecer a pressão dos preços e conduzir a inflação à meta.

A potência da política monetária diz respeito à intensidade com que a taxa de juros se transmite ao sistema de crédito. Sucede que, aqui, 40% da oferta de crédito, quase a metade, é pouco sensível às variações da taxa. Nessas operações, os custos financeiros não se alteram com a elevação da Selic. São os casos, por exemplo, do crédito subsidiado do BNDES, do crédito rural e do crédito imobiliário.

Por isso, a potência é menor do que a observada em países onde é mínima ou inexistente a segmentação do crédito. Suponha um sistema hidráulico de duas tubulações, cujo objetivo é enviar água a um reservatório. Se uma delas estiver bloqueada, será exigido o dobro de potência da bomba para cumprir a mesma função. Só por isso, nossa taxa básica de juros tende a ser duas vezes a observada em países ricos.

“Em 2015, o Brasil perdeu o selo de bom pagador. Quanto maior for o risco, maior será a taxa de juros”

Continua após a publicidade

Outro fator essencial para determinar a taxa básica é a confiança na política econômica. Governos que adotam ações fiscais expansionistas, que podem tornar insustentável a dívida pública, geram riscos de perdas para os investidores. O correspondente desequilíbrio macroeconômico acarreta incertezas que provocam fugas de capital e ações de defesa contra flutuações da taxa de câmbio, o que faz subir o dólar e aumentar a inflação. Nesse ambiente, as expectativas inflacionárias se desancoram e passam a superar a meta de inflação. Torna-se preciso aumentar a Selic para ancorá-las novamente.

Adicionalmente, o Brasil perdeu em 2015 a classificação de bom pagador (grau de investimento). O país ficou mais arriscado. Como se sabe, maior o risco, maior a taxa de juros demandada pelos mercados. Na América Latina, entre as economias relevantes, três — Chile, Colômbia e México — exibem grau de investimento, o que por si só permite que as taxas básicas de juros deles sejam mais baixas que a do Brasil.

Vários outros fatores explicam por que os juros são mais altos no Brasil, inclusive os que determinam a taxa neutra, isto é, aquela que permite a utilização plena do potencial de crescimento da economia sem descontrole da inflação. Muitas reformas estruturais serão necessárias para que nos equiparemos a outros países, inclusive da América Latina. Ainda estamos muito longe do ponto em que a taxa de juros será semelhante à de outros lugares. Dificilmente ela cairá abaixo de 8% nos próximos anos.

Publicado em VEJA de 8 de setembro de 2023, edição nº 2858

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.