Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maílson da Nóbrega Por Coluna Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história

PIB: crescimento do 1º tri pode não se sustentar

Bom desempenho de serviços ajudou a puxar o resultado no início de 2022; inflação e cenário externo são desafio para os próximos trimestres

Por Maílson da Nóbrega Atualizado em 2 jun 2022, 17h22 - Publicado em 2 jun 2022, 09h15

O PIB cresceu 1% no primeiro trimestre em relação ao trimestre anterior, em termos dessazonalizados. Nos doze meses encerrados em março último, a expansão alcançou 1,7%. Dificilmente esse ritmo será mantido ao longo do ano, como se verá no final. 

Pelo lado da oferta, destacou-se a intensidade do crescimento de serviços: 1%. Esse desempenho tem muito a ver com a recuperação dos serviços presenciais, antecipando um movimento que esperávamos ocorresse mais tarde. Daí sua intensidade. De fato, o resultado divulgado nesta quinta-feira, 2, captou a normalização mais veloz nas áreas de alojamento e alimentação. A demanda reprimida de viagens fez com que a redução das medidas sanitárias contra a Covid-19 encorajasse o crescente número de pessoas a viajar. 

Na construção civil, que cresceu 0,8% no primeiro trimestre, a influência maior veio de segmentos que utilizam mão de obra intensiva. Como nesses segmentos predomina a informalidade, o IBGE mensura o PIB pela mão de obra empregada, com base nas pesquisas domiciliares. A redução do índice de desemprego, recentemente divulgado pelo IBGE, corrobora essa análise.

A agropecuária recuou 0,9% no mesmo período, devido a fatores climáticos. A indústria ficou praticamente estável, expandindo 0,1%, ajudada em grande parte pela expansão da construção civil. 

Pelo lado da demanda, o destaque foi o consumo das famílias, cuja expansão atingiu 0,7% no primeiro trimestre, dessazonalizado. Nos doze meses encerrados em março, o consumo das famílias cresceu 2,2%. Contribuíram para isso o aumento do emprego, que, como assinalado, surpreendeu positivamente no período. 

Fatores negativos devem dificultar a preservação do ritmo do primeiro trimestre. Entre eles, destaca-se o ambiente internacional, marcado por desaceleração econômica e persistente inflação, o que tem motivado um maior aperto monetário global. Internamente, a demanda deverá sofrer os efeitos dos altos níveis de inflação e do correspondente aperto monetário nos próximos meses, o que será sentido especialmente em setores mais dependentes do crédito. Preços mais altos corroem a renda dos trabalhadores, reduzindo sua demanda de consumo. 

Diante disso, não acompanhamos visões otimistas que têm prevalecido no governo, as quais estimam um crescimento de até 2% do PIB em 2022. A projeção da Tendências Consultoria é de uma expansão de apenas 0,8%.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)