Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

Milei precisará do BC

Várias de suas funções são essenciais para a economia

Por Maílson da Nóbrega
Atualizado em 16 dez 2023, 08h47 - Publicado em 16 dez 2023, 08h00

Como acontece com populistas que conquistam o eleitorado com ideias impraticáveis, o novo presidente da Argentina, Javier Milei, abandonou propostas inviáveis de campanha como a de cortar relações com o Brasil e a China, os dois principais mercados de exportação do país.

Logo depois de ganhar as eleições, ele manteve a proposta de extinguir o Banco Central, afirmando que a medida seria “inegociável”. Muitos não o levaram a sério, posição que poderá vir a ser confirmada. Milei tende a abandonar essa louca ideia, que se nutria de uma percepção correta: a inflação descontrolada tem a ver, em grande parte, com o financiamento, pelo banco, de gastos excessivos do governo. Por ora, anunciou-se, sensatamente, que o banco será proibido de exercer esse papel. É o que fez a nossa Constituição, cujo Artigo 164, § 1º, diz que “é vedado ao Banco Central conceder, direta ou indiretamente, empréstimos ao Tesouro Nacional”.

A promessa de Milei levou analistas a mostrar que nenhuma economia funciona sem um Banco Central, ao qual cabe regular a atividade bancária e dispor sobre capital mínimo e redescontos, funções essenciais. Antes, Milei poderia ter estudado o caso dos EUA, que admira. Após a Convenção de Filadélfia (1787), criou-se o Banco dos Estados Unidos, com atribuições semelhantes às de bancos centrais modernos, mas sem política monetária. Cabia-lhe receber a arrecadação federal e conceder empréstimos ao governo e ao setor privado, vedada a aquisição de títulos públicos.

“A economia dos EUA perdeu riqueza no tempo em que ficou sem uma autoridade bancária”

O mandato era de vinte anos, podendo ser renovado. Os secretários James Madison e Thomas Jefferson se opuseram à ideia, da lavra do titular do Tesouro, Alexander Hamilton. Perderam. O banco nasceu e seu mandato foi renovado em 1816, mas não em 1836. Assim, por 77 anos (1836-1913) inexistiu um regulador e emprestador de última instância aos bancos. Durante esse período, a economia americana sofreu fortes recessões, que poderiam ter sido minimizadas se tivesse havido a renovação.

Continua após a publicidade

Diante do pânico de 1907, que se abateu sobre o mercado financeiro, com queda de 50% na Bolsa de Valores, vários bancos faliram, espalhando efeitos negativos sobre a economia. O desastre não foi maior porque o banco J.P. Morgan decidiu redescontar títulos de instituições financeiras em dificuldades e exercer o papel de coordenação típica de um banco central, influenciando outros estabelecimentos a fazer o mesmo.

A crise levou o Congresso a criar a Comissão Monetária Nacional, que investigou as causas do pânico e propôs uma lei para regular o sistema bancário. De suas conclusões nasceu o Federal Reserve, o banco central americano, em 1913. A economia americana seria hoje mais rica se tivesse contornado as crises do período em que funcionou sem uma autoridade monetária e um regulador da atividade bancária. Milei pode não conhecer essa história, mas tende, sem querer, a considerar as lições dos Estados Unidos, evitando extinguir o Banco Central.

Publicado em VEJA de 15 de dezembro de 2023, edição nº 2872

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.