Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maílson da Nóbrega Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Coluna
Blog do economista Maílson da Nóbrega: política, economia e história
Continua após publicidade

A produtividade e o PT

O partido continua aferrado a teses econômicas equivocadas

Por Maílson da Nóbrega
Atualizado em 3 fev 2024, 09h04 - Publicado em 3 fev 2024, 08h00

A produtividade é a fonte básica do crescimento econômico, o que já era destacado em 1776 por Adam Smith no livro A Riqueza das Nações. Ele citou uma fábrica de alfinetes onde os trabalhadores se especializavam em tarefas específicas. A eficiência aumentava. A divisão do trabalho elevava a produtividade, fomentando o progresso.

A produtividade é, pois, essencial para a expansão do PIB, do emprego e da renda. Para o economista americano Paul Krugman, “a produtividade não é tudo na economia, mas no longo prazo é quase tudo”. Sua elevação depende de muitos fatores, tais como a qualidade da educação, o uso dos recursos em seus melhores fins (a chamada “boa alocação”), o avanço tecnológico (fonte básica das inovações) e a adequada operação da logística. Do lado oposto, a inflação, a corrupção e os gastos públicos excessivos, que podem levar à insustentabilidade fiscal, geram ineficiências. Conspiram contra a produtividade.

A produtividade raramente frequenta os documentos do PT. A economia seria impulsionada pelos gastos públicos. “Gasto é vida”, assinalou a ex-presidente Dilma Rousseff. Seu desprezo pela responsabilidade fiscal legou um desastre econômico que ainda hoje ecoa, mas suas consequências — inflação, recessão e desemprego — não serviram de lição. O PT continua aferrado a essa ideia. Pior, acredita que o Banco Central deve obediência ao governo, cabendo-lhe reduzir a Selic para fazer o PIB crescer.

“A produtividade não frequenta os documentos do PT. A economia seria impulsionada pelos gastos públicos”

A fé no gasto público é o que move o Novo PAC. O programa prevê investimentos de 1,7 trilhão de reais nos próximos anos. Seus objetivos são promover o crescimento econômico e assegurar a vitória nas eleições de 2024 e 2026. Não à toa, o presidente Lula planeja inaugurar obras do PAC Brasil afora. Confia que o eleitorado reagirá bem a ações do governo em seus respectivos municípios.

Continua após a publicidade

Há que reconhecer, tais investimentos podem elevar a produtividade, particularmente os que objetivam melhorar o sistema de transporte. Mas sua força não é tão grande se considerarmos que representarão, em média, pouco mais de 0,3% do PIB ao ano no atual governo. Ademais, de acordo com o novo arcabouço fiscal, será necessário promover corte de gastos, mesmo que insuficiente para resolver a insustentável situação fiscal.

Isso foi, todavia, o bastante para despertar a ira do PT. Afinal, reduzir gastos é atacar a “fonte” do crescimento. Em resolução de 8 de dezembro passado, o Diretório Nacional do partido voltou-se contra o “austericídio” fiscal do ministro Fernando Haddad.

Ao lado do partido peronista argentino, o PT é a única agremiação relevante de esquerda que não modernizou seu discurso econômico. Os demais, como é o caso dos europeus, aderiram ao binômio democracia-­economia de mercado, sob forte regulação do Estado. Pelo que se tem visto de declarações como essa e do próprio Lula, o partido está longe de abandonar ideias econômicas arcaicas que podem, se adotadas, inibir o crescimento do país.

Publicado em VEJA de 2 de fevereiro de 2024, edição nº 2878

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.