Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Procurador pode causar prejuízo milionário à Ambev

Documento dorme na gaveta de autoridade

Por Da Redação Atualizado em 1 Maio 2019, 11h26 - Publicado em 25 abr 2019, 13h12

O comando da Ambev está preocupado – e bastante irritado, com a possível perda de R$ 3 milhões em benefícios fiscais no estado do Rio.

Isso porque a empresa precisa assinar até esta quinta (25) a certidão de regularidade fiscal, que comprova o pagamento de todos os impostos, para obter os incentivos.

Só que o documento dorme na gaveta do procurador Gustavo Areal, da Procuradoria Geral do Estado.

A Ambev já entrou com um mandado de segurança para garantir a finalização do documento.

Areal, por sinal, dedica mais tempo a um escritório particular do Rio do que ao cargo de procurador público.

Atualização: A Associação dos Procuradores do Estado do Estado do Rio de Janeiro informa que o processo em referência está sendo devidamente tratado no âmbito da Procuradoria da Dívida Ativa e que a Procuradoria do Estado está cumprindo rigorosamente teor de decisão judicial de liminar em mandado de segurança, que determinou que, caso houvesse outras pendências contra a empresa (AMBEV), as mesmas fossem informadas em ato único em prazo de 10 dias.

Atualização 2: A Procuradoria Geral do Rio afirma que “o referido Procurador sempre cumpriu suas tarefas com zelo e de forma tempestiva, tem se dedicado com afinco às suas atividades na casa, não possui qualquer anotação negativa em sua ficha funcional, muito pelo contrário, sempre apresentou uma conduta ilibada”

E que “que todo o processo da AMBEV foi encaminhado com a celeridade própria aos casos em que há algum tipo de exigência a cumprir”. Diz ainda que “que quando do pedido de certidão faltavam informações sobre as incorporações societárias realizadas pela AMBEV, o que poderia acarretar a ela responsabilidade tributária pelos débitos das sociedades incorporadas”.

Continua após a publicidade
Publicidade