Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Os próximos passos da guerra entre Fifa e Globo

Parcela de 90 milhões de dólares do contrato de direitos de transmissão vence nesta terça; Fifa ainda não recorreu contra a liminar obtida pela emissora

Por Robson Bonin - Atualizado em 30 Jun 2020, 12h25 - Publicado em 30 Jun 2020, 08h30

Como o Radar mostrou na semana passada a Globo entrou em litígio com a Fifa por causa da resistência da entidade máxima do futebol em rever o contrato de direitos de transmissão com a emissora.

O ponto central do divórcio é a parcela de 90 milhões de dólares (mais de 450 milhões de reais) que a Globo deveria pagar à entidade nesta terça no acerto para manter os direitos de transmissão de competições como a Copa de 2022 no Catar.

ASSINE VEJA

Wassef: ‘Fiz para proteger o presidente’ Leia nesta edição: entrevista exclusiva com o advogado que escondeu Fabrício Queiroz, a estabilização no número de mortes por Covid-19 no Brasil e os novos caminhos para a educação
Clique e Assine

A emissora, com argumentos legítimos para pleitear a rediscussão dos papeis, conseguiu uma liminar do Tribunal de Justiça do Rio para não pagar a prestação até que os seus pleitos sejam julgados em ação de arbitragem a ser conduzida na Suíça.

Juristas ouvidos pelo Radar dizem que a Fifa pode ter evitado recorrer no tribunal brasileiro por receio de sofrer numa derrota, “o que pode repercutir a nível mundial”, diz Leonardo Antonelli.

Continua após a publicidade

A partir do momento em que a Globo acionar a arbitragem na Suíça, a competência para discussão do tema será deslocada aos tribunais do país europeu. E aí será dada a largada para uma longa partida.

Publicidade