Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia e Mariana Muniz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

No governo, avaliação é de que fala de Guedes ampliou crise com debandada

Leitura é de que Guedes jogou a bola para o presidente, ao falar da letargia nas agendas da economia, o que amplia a crise

Por Robson Bonin Atualizado em 11 ago 2020, 21h26 - Publicado em 11 ago 2020, 20h52

As declarações de Paulo Guedes, há pouco, de que Salim Mattar e Paulo Uebel pediram demissão do governo porque os temas de suas áreas — privatizações e reforma administrativa — estavam na geladeira política do Planalto, foram pessimamente interpretadas dentro do governo.

Na avaliação de um importante interlocutor da própria equipe econômica ouvido pelo Radar, a crise é grande. Com sua fala, Guedes “jogou a bola para o presidente”, o que não deve ser bem recebido pelo mercado.

Em tempo, o que Guedes disse sobre os pedidos de demissão: “Hoje houve uma debandada? Hoje houve uma debandada. Salim falou: ‘A privatização não está andando, prefiro sair’. Uebel disse: ‘A reforma administrativa não está sendo enviada, prefiro sair’. Esse é o fato, essa é a verdade.”

Publicidade