Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Marco regulatório do gás deve destravar setor

Especialistas apontam que redução de 10% no valor da tarifa pode elevar PIB industrial em 1,4%.

Por Manoel Schlindwein - Atualizado em 5 ago 2020, 14h38 - Publicado em 5 ago 2020, 16h32

Um novo marco legal para o setor de gás no País deve aumentar a competição, ampliar os investimentos de infraestrutura, processamento, transporte e distribuição e ainda ajudar a retomada da competitividade de indústrias de diversos segmentos.

A análise parte de especialistas da GO Associados. “Entende-se que um modelo com usinas térmicas na base dos sistemas de geração elétrica com gás competitivo do pré-sal, aliado a investimentos em infra-estrutura, pode estabilizar o sistema elétrico e reduzir o custo da energia”, avalia o ex-presidente do CADE e da Sabesp, o economista Gesner Oliveira.

No estudo que liderou, a redução de 10% no valor da tarifa de energia pode levar a um aumento, em média, de 1,4% no PIB industrial. “Um novo modelo para o mercado de gás pode representar um círculo virtuoso de investimentos e crescimento econômico”, argumenta.

Na última quarta-feira, a Câmara dos Deputados aprovou a urgência do projeto 6407/13, que define o marco regulatório do gás, redesenhando a produção, armazenamento e venda do produto. No início desta semana, o relator da Nova Lei do Gás, o deputado Laércio Oliveira (PP-SE), divulgou parecer preliminar favorável ao projeto.

Continua após a publicidade
Publicidade