Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Gabriel Mascarenhas (interino) Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Brasileiro triplica uso de pagamento pelo celular

Pesquisa apontou também aumento no uso do cartão de crédito e diminuição no uso de cédulas.

Por Manoel Schlindwein Atualizado em 8 set 2020, 15h27 - Publicado em 8 set 2020, 18h32

Os brasileiros triplicaram o uso de pagamentos via dispositivos móveis em um ano. Em 2018, apenas 8% dos consumidores declararam ter usado esse meio de pagamento no último mês, percentual que subiu para 21% em 2019, superando até mesmo países como o Reino Unido.

O uso de cartões de crédito pela população bancarizada no Brasil também aumentou no período. Em 2018, 47% do público apontava este como o principal meio de pagamento, porcentual que subiu para 52% no ano seguinte – acima do registrado pela América Latina, 49%.

Enquanto isso, o uso do dinheiro físico apresentou queda no mesmo período: em 2018, 40% das pessoas o apontavam como principal meio de pagamento, percentual que caiu para 25% no ano seguinte (índice inferir ao registrado na América Latina: 31%).

As conclusões fazem parte do IX Relatório de Tendências de Meios de Pagamento da Minsait. O material apresenta anualmente informações sobre a evolução dos meios de pagamento em 11 países da Europa e da América Latina. Para tanto, usa dados de mais de 4 mil cidadãos e entrevistas de 45 executivos do setor de meios de pagamento.

Considerando o cenário brasileiro na evolução dos meios de pagamento, Ricardo Granados aponta que a situação no país é desafiadora. “Para ter sucesso nesse setor é necessário lembrar que há uma barreira muito grande a ser superada no país: a desconfiança ou irrelevância do recurso para boa parte da população. Além disso, muitos dos entrevistados relataram que a falta de aceitação desse meio de pagamento por estabelecimentos comerciais também é uma barreira para seu uso frequente. São fatores que, sem dúvida, vão exigir atenção especial dos empresários especialmente no contexto pós-Covid”, explica o executivo da Minsait Payments.

Continua após a publicidade
Publicidade