Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Gabriel Mascarenhas (interino) Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Brasileiro aumenta compra de supérfluos durante pandemia

Pesquisa da Salesforce aponta comportamento dos brasileiros em meio à crise do novo coronavírus.

Por Manoel Schlindwein Atualizado em 4 jun 2020, 10h50 - Publicado em 4 jun 2020, 09h32

Durante o isolamento social imposto pela pandemia, os brasileiros aumentaram a frequência com que navegam na internet, usam redes sociais, assistem a vídeos em plataformas de streaming e fazem compras de itens não essenciais, é o que aponta a pesquisa Consumidor e Força de Trabalho, realizada pela Salesforce.

A pesquisa mostra que 62% dos brasileiros estão gastando com itens que não são de necessidade básica, ou seja, aquelas compras opcionais. O número está bem acima dos 21% da média global. Os dados são o resultado de uma pesquisa com 3.542 indivíduos nos Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Brasil e Austrália entre 1 e 2 de maio deste ano.

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição
Clique e Assine

Para 79% dos brasileiros entrevistados, aumentou a navegação na internet se comparado ao período anterior à pandemia – índice superior à média global, de 59%. O uso das redes sociais também subiu: 76% afirmaram que a atividade foi intensificada, contra 49% do resto do mundo. O mesmo se registrou no hábito de assistir vídeos em plataformas de streaming, com 73% dos brasileiros observando aumento na frequência contra 49% da média mundial.

“O isolamento social impôs uma nova rotina de atividades para os brasileiros. Com muito mais tempo em casa, as pessoas naturalmente estão recorrendo aos serviços online, como as plataformas de streaming, os serviços por assinatura e as redes sociais, como forma de entretenimento e até mesmo como ferramentas de estudo e trabalho”, comenta Daniel Hoe, diretor de Marketing da Salesforce para América Latina.

Continua após a publicidade
Publicidade