Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Parece uma caixinha de leite, mas é uma garrafa de água sustentável

Empreendedores encontraram nas embalagens cartonadas uma resposta para reduzir a pegada ambiental da água engarrafada

Por Machado da Costa Atualizado em 9 dez 2020, 14h03 - Publicado em 9 dez 2020, 12h10

Uma startup brasileira promete inundar os mercados brasileiros de água em recipientes sustentáveis. A Água na Caixa, envasada em caixinhas da Tetra Pak, chegará às primeiras nas próximas semanas com o objetivo de transformar a forma como se consume o produto. Criada pelos empreendedores Fabiana Tchalian e Rodrigo Gedankien, a empresa é a primeira no país a envasar água em caixinha que é reutilizável. Feita quase só de materiais renováveis, a caixinha é composta por 54% de celulose, 28% de plástico de cana-de-açúcar e o restante de materiais totalmente recicláveis. Com isso, reduz o uso de matéria-prima não renovável e, de quebra, a emissão de carbono.

Envasada em Pinhalzinho, no Circuito das Águas de São Paulo, a água fará sua estreia nas gôndolas da Casa Santa Luzia em embalagens de 500 ml, e, em breve, também na versão 330ml. Rodrigo Gedankien afirma ter acordos fechados com restaurantes, uma companhia aérea e há conversas avançadas com redes de hotéis, como o Fasano. “Estamos iniciando com uma capacidade de envasar até 50 milhões de caixinhas ao ano e a meta de atingir 1.000 pontos de venda em São Paulo e no Rio de Janeiro até o fim de 2021” diz.

Água na Caixa é a primeira empresa brasileira a oferecer água mineral em embalagem cartonada, que até então eram comuns para envasar leite e suco de frutas. Seu formato é exclusivo e foi especialmente desenvolvido para estimular a reutilização da caixa pelos consumidores. “Acreditamos que beber água deveria ser simples. Vamos oferecer a melhor opção, a alternativa mais sustentável para quem quiser beber água mineral sempre que precisar comprar”, diz Fabiana Tchalian.

+ Siga o Radar Econômico no Twitter

Continua após a publicidade
Publicidade