Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Governo quer elevar auxílio com Orçamento de Guerra para sequelas da Covid

Governo deve argumentar que fome e inflação são sequelas da pandemia e por isso justificariam usar recursos fora do teto

Por Josette Goulart Atualizado em 19 out 2021, 12h54 - Publicado em 19 out 2021, 12h34

O governo federal deve anunciar hoje o novo Bolsa Família, turbinado, de 400 reais. Sem Orçamento dentro do teto de gastos para tudo isso, fontes próxima do Planalto dizem que o governo vai propor que parte seja financiado com recursos extra-teto dentro de um novo  Orçamento de Guerra. O dispositivo do Orçamento de Guerra foi aprovado pelo Congresso, no ano passado, para que o governo tenha recursos extraordinários, fora do teto, para usar em tempos de catástrofes. No ano passado e agora em 2021, a catástrofe era a pandemia e foi esse Orçamento que permitiu, por exemplo, o pagamento do auxílio emergencial. Para os próximos dois anos, a justificativa que o governo vai usar é que mesmo que a pandemia tenha sido controlada sanitariamente, deixou sequelas como fome, desemprego, inflação mundial, miséria. Portanto, uma nova guerra, uma nova catástrofe. O novo Bolsa Família será feito por medida provisória e o governo está confiante que o Congresso aprove, já que seria difícil para a casa não aprovar um auxílio social maior neste momento em que mais de 20 milhões de pessoas estão em situação de miséria.

Publicidade