Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Auxílio-moradia é renda disfarçada e precisa ser tributado

Penduricalhos usados para aumentar os ganhos de juízes e parlamentares, além de driblar o teto para os salários, são isentos do Imposto de Renda

Como tenho sustentado neste espaço, o auxílio-moradia pago a juízes, procuradores, parlamentares e outros servidores é uma forma disfarçada de aumentar seus respectivos salários. Por um truque cada vez mais desmoralizado pela própria classe que o recebe, considera-se que o benefício tem natureza indenizatória, o que permite aos beneficiários escaparem do limite constitucional de rendimentos (o dos ministros do STF) e do imposto de renda.

Nos últimos dias, juízes confirmaram esse entendimento. Começou com o juiz federal Marcelo Bretas, do Rio de Janeiro, cuja esposa é também magistrada. Ambos moram no mesmo teto, de sua propriedade, mas os dois recebem, individualmente, o auxílio-moradia. Questionado, o juiz Bretas confirmou que tem imóvel. Disse que ele e a esposa recebem o penduricalho, que qualificou de “direito”.

Depois foi a vez do juiz Sergio Moro, de Curitiba, que tem conduzido com destemor e eficiência, o julgamento de processos associados à Operação Lava Jato. Moro confirmou o recebimento do benefício. Afirmou, então, que se trata de “compensação” pela ausência de reajuste dos seus vencimentos. Logo, é salário.

A mais recente confirmação veio do novo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, o desembargador Manoel de Queiros Pereira Calças. Ontem, ao tomar posse do cargo, o desembargador defendeu a vantagem e reagiu debochadamente a um jornalista que perguntou se ele recebia o auxílio-moradia. O magistrado admitiu que tem vários imóveis na capital paulista e que o auxílio é um “salário indireto”. “Eu acho muito pouco. É isso que você (repórter) queria ouvir? Agora, coloca lá: ‘o desembargador disse que é muito pouco”, concluiu. Pode?

Veja também

É hora, pois, de reconhecer que o auxílio-moradia, uma remuneração disfarçada, é renda para todos os efeitos. A Secretaria da Receita Federal deveria sugerir mudança legislativa para definir, de uma vez por todas, que vantagens como essas devem ser classificadas como renda pessoal e, portanto, ser tributadas pelo imposto de renda. Uma dessas vantagens, inacreditável, serve para os juízes comprarem livros. Nenhum outro assalariado goza desse benefício.

Auxílio-moradia e todos os penduricalhos constituem remuneração e, assim, devem ser considerados tanto para fins de tributação quanto para o cálculo do teto de remuneração.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

  1. Ataíde Jorge de Oliveira

    😮
    REÇEITA do BRASIL :
    1 juiZ&CCO Típico NãO TRABALHA
    ; os 2 meses de “Férias” Q NãO GOZA
    são “Indenizações” IMUNES à Tributação
    , segundo Jurisprudência — em CAUSA PRóPRIA !!
    — do PRóPRÏO STJ…Eis, aí, a CA$TA 😮

    Curtir

  2. Tem que tributar e, isso, retroativamente à data em que foi proferida a vergonhosa liminar que concedeu o indecente auxílio. É muita falta de vergonha na cara. O povo brasileiro não tem educação de qualidade, não tem atendimento médico nos postos de saúde e nem segurança e tem que ficar bancando auxílio moradia para que juízes e promotores de justiça morem na própria residência deles. Vergonha, vergonha. Esse é o meu país, tenho vergonha dele..

    Curtir

  3. hildo molina

    NÃO SENHOR, NÃO QUEREMOS TRIBUTAÇÃO, QUEREMOS EXTINÇÃO, SÓ ISSO.

    Curtir