Imagem da semana: Beleza catastrófica

O vulcão Vesúvio é um dos pontos turísticos mais admirados no sul da Itália e espera-se que o gigante acorde a qualquer momento

Imponente e localizado a apenas 10 quilômetros da cidade de Nápoles, o vulcão Vesúvio é um dos pontos turísticos mais admirados no sul da Itália. Segundo os geólogos, ele deve entrar em erupção a cada vinte anos. No ano 79, suas cinzas e rochas soterraram a cidade romana de Pompeia e mataram 2 000 de seus habitantes. Protegidas no solo, algumas pichações feitas nas paredes das ruínas sobreviveram aos séculos. “Se alguém não acredita em Vênus (deusa do amor), então deve olhar para a minha namorada”, diz um dos escritos.

Como a última vez que uma erupção aconteceu foi em 1944, em plena II Guerra Mundial, espera-se que o gigante adormecido acorde a qualquer momento. A foto ao lado, contudo, é enganadora: não é uma manifestação do Vesúvio, e sim um incêndio florestal. Na terça-feira 11, o fogo lançou nuvens de até 2 quilômetros de altura, as quais podiam ser vistas das cidades de Nápoles, Sorrento e Pompeia. Imagens das labaredas cobrindo o monte à noite e da fumaça branca perturbando o céu azul-claro foram compartilhadas nas redes sociais. “Você é linda mesmo quando sofre”, escreveu uma adolescente de Nápoles no Instagram, na legenda de uma foto que mostra as labaredas à noite e a cidade iluminada no sopé. Outra italiana indignou-se com o fogo, que pode ter sido provocado por um ato humano. “Dá a impressão de uma erupção, mas é o Vesúvio que está em chamas. É vergonhoso!”, disse ela na rede social. Os moradores da região estão em alerta, e parte deles foi retirada do local por precaução, enquanto o fogo consome bosques e florestas de pinheiros.

Publicado em VEJA de 19 de julho de 2017, edição nº 2539