Mais Lidas

  1. Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

    Entretenimento

    Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

  2. "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

    Mundo

    "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

  3. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  4. Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

    Brasil

    Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

  5. MP defende afastamento do delegado do caso de estupro coletivo no Rio de Janeiro

    Brasil

    MP defende afastamento do delegado do caso de estupro coletivo no...

  6. Paixão, obsessão e morte

    Entretenimento

    Paixão, obsessão e morte

  7. Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

    Mundo

    Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

  8. A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima de estupro coletivo

    Brasil

    A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima...

ONU: Europa Ocidental tem 140.000 'escravas sexuais'

- Atualizado em

Um relatório do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) revelou que aproximadamente 70.000 mulheres são vítimas de tráfico sexual para a Europa Ocidental anualmente, conforme divulgou nesta quarta-feira a rede BBC. De acordo com o documento O Tráfico de Pessoas para a Europa para Exploração Sexual, há atualmente cerca de 140.000 mulheres obrigadas a trabalhar no mercado do sexo na região.

A agência da ONU estima que essas "escravas sexuais" façam em torno de 50 milhões de programas ao ano, a um custo médio de 50 euros por cliente (aproximadamente 109 reais), movimentando um total de 2,5 bilhões de euros (aproximadamente 5,47 bilhões de reais).

O relatório foi divulgado na Espanha pelo diretor-executivo da UNODC, Antonio Maria Costa. Ele coincide com o lançamento da campanha internacional Coração Azul de combate ao problema. "Os europeus acreditam que a escravidão foi abolida há centenas de anos. Mas olhem em volta - os escravos estão em nosso entorno. Precisamos fazer mais para reduzir a demanda por produtos feitos por escravos e por meio da exploração", afirmou Costa.

Distribuição - Segundo o documento, a região dos Bálcãs é a principal origem das mulheres traficadas para a Europa Ocidental (32% do total), seguida dos países do ex-bloco soviético (19%). As sul-americanas representam 13% dessas mulheres e têm como principais destinos Espanha, Itália, Portugal, França, Holanda, Alemanha, Áustria e Suíça.

A organização percebe ainda um aumento no número de mulheres brasileiras traficadas para a Europa. A maioria das vítimas são originárias de regiões pobres no norte do país, principalmente nos estados do Amazonas, do Pará, de Roraima e do Amapá.

TAGs:
ONU