Mais Lidas

  1. Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre caso de estupro

    Entretenimento

    Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre...

  2. Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

    Mundo

    Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

  3. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  4. Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de invasão de terras

    Brasil

    Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de...

  5. Lula pede ao STF acesso à delação de Pedro Corrêa

    Brasil

    Lula pede ao STF acesso à delação de Pedro Corrêa

  6. Lula sabia que mensalão era propina, diz Corrêa em delação

    Brasil

    Lula sabia que mensalão era propina, diz Corrêa em delação

  7. Zoológico nos EUA defende decisão de matar gorila

    Mundo

    Zoológico nos EUA defende decisão de matar gorila

  8. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

Mercado projeta inflação acima do teto da meta em 2015

Trata-se da primeira vez no ano que analistas consultados pelo BC elevam projeção para o IPCA para além dos 6,5%. Previsão para o PIB, contudo, recuou

- Atualizado em

Supermercado
Inflação continuará pressionada por alta do dólar e dos preços administrados, mostrou Boletim Focus(Luciano Amarante/VEJA)

O mercado financeiro se despede de 2014 com previsões nada animadoras para o próximo ano, indica pesquisa Focus divulgada nesta segunda-feira pelo Banco Central. Economistas consultados pelo BC projetam inflação em 6,54% ao fim de 2015 - acima, portanto, do teto da meta do governo federal. Trata-se da primeira vez no ano que analistas elevam a previsão de inflação para além do patamar de 6,5%. Para o fim de 2014, a projeção para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi mantida em 6,38%.

O IPCA-15 (prévia do indicador oficial) acelerou a alta para 0,79% em dezembro, encerrando o ano com aumento de 6,46%. O BC tem argumentado que o câmbio e os preços administrados continuarão pressionando a inflação, que deverá retornar para o centro da meta apenas no final de 2016.

Analistas reduziram a projeção para o crescimento do país nesta ano. A previsão de alta do Produto Interno Bruto está em 0,13% contra projeção do documento anterior de alta de 0,16% e a de um mês atrás, de 0,2%. A perspectiva dos analistas é de que haverá retomada da atividade no ano que vem, mas com menor força, já que a taxa passou de 0,69% da semana anterior para 0,55% agora. Quatro semanas antes, porém, a projeção para 2015 estava em 0,8%.

A produção industrial segue como o principal setor responsável pelas previsões para o PIB deste e do ano que vem. No boletim Focus, a mediana das estimativas do mercado para o setor manufatureiro revela uma expectativa de queda de 2,5% este ano - idêntica à da semana passada. Há quatro semanas, estava em -2,3%. Para 2015, o crescimento desse segmento deve ser de 1,02% ante 1,13% do levantamento anterior e de 1,3% de um mês atrás.

Juros - Com a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central marcada para meados do mês que vem, o mercado manteve a estimativa de que a Selic subirá mais 0,75 ponto porcentual até o fim de dezembro de 2015. De acordo com o Relatório de Mercado Focus, a mediana das previsões para a taxa básica de juros no período seguiu em 12,5%. Há um mês, a previsão central da pesquisa era de uma taxa de 12% ao ano. Já a Selic média em 2015 foi mantida em 12,47% ao ano, de acordo com o mesmo documento, já bem próximo da taxa efetiva esperada para o fim do ano que vem. Quatro semanas atrás estava em 11,97%.

Dólar - Após a garantia do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, de que continuará com a ração diária ao mercado por meio de leilões de swap cambial, a mediana das estimativas para o dólar no fim deste ano está em 2,65 reais. Na semana passada, o ponto central da pesquisa apontava uma cotação de 2,60 reais e, há um mês, de 2,55 reais.

(Com Estadão Conteúdo e agência Reuters)

TAGs:
Banco Central
Inflação
PIB
Crescimento