Mais Lidas

  1. Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

    Mundo

    Entenda a diferença entre Inglaterra, Grã-Bretanha e Reino Unido

  2. Após foto em velório, Ana Paula Valadão diz que vai deixar redes sociais

    Entretenimento

    Após foto em velório, Ana Paula Valadão diz que vai deixar redes...

  3. Bom para ambas as partes?

    Brasil

    Bom para ambas as partes?

  4. Attuch, o porta-voz da quadrilha

    Brasil

    Attuch, o porta-voz da quadrilha

  5. É preciso cortar privilégios, defende Lisboa

    Economia

    É preciso cortar privilégios, defende Lisboa

  6. 'Que país é esse?' Moro é aplaudido durante show em Curitiba

    Brasil

    'Que país é esse?' Moro é aplaudido durante show em Curitiba

  7. Em noite de juiz 'pavão' e pênalti de Messi a la Baggio, Chile é campeão da Copa América Centenário

    Esporte

    Em noite de juiz 'pavão' e pênalti de Messi a la Baggio, Chile é...

  8. Parlamento Europeu pede que Reino Unido comece a sair da UE na terça

    Mundo

    Parlamento Europeu pede que Reino Unido comece a sair da UE na terça

G20 começa com discussão sobre reformas estruturais

Para autoridades como o ministro de Finanças da China, Jiwei Lou, e a diretora-gerente do FMl, Christine Lagarde, crescimento econômico depende de reformas

- Atualizado em

Christine Lagarde durante reunião na China
"Reformas permitem a retomada do crescimento sustentável e inclusivo", disse Lagarde, diretora-gerente do FMI(VEJA.com/Reuters)

As reformas estruturais dominaram a primeira manhã da reunião financeira das 20 maiores potências do mundo, o G-20, que acontece em Xangai, na China. No "Seminário de Alto Nível sobre Reforma Estrutural", autoridades como o ministro de Finanças da China, Jiwei Lou, e a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, exaltaram a necessidade de reformas. Lou sugeriu a criação de uma ferramenta que permita avaliar o avanço do tema em cada país. Na plateia, um dos presentes era o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa.

"O crescimento da economia depende de reformas estruturais e esse crescimento está relacionado com fatores como a produtividade", disse Lou. A uma plateia composta por ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais das 20 maiores economias do mundo, o anfitrião exaltou o grupo a se comprometer a acelerar as reformas necessárias para todo o grupo.

Entre os temas que precisam de reformas estruturais, o ministro da China citou como exemplo a reforma do mercado de trabalho com a redução de barreiras na relação entre empregado e empregador, a reforma da previdência social e também medidas para fortalecer a estabilidade financeira.

No mesmo painel, a diretora-gerente do FMI reforçou o discurso ao citar que a atual situação econômica global aumenta a urgência sobre o tema. "Há crescimento modesto das economias desenvolvidas e alguns dos grandes emergentes têm sinais de estresse. Reformas permitem a retomada do crescimento sustentável e inclusivo", disse Lagarde.

Por enquanto, o grupo tem como principal meta uma grande lista com 800 compromissos estabelecidos em 2014 na reunião do G-20 em Brisbane, na Austrália. Na ocasião, o grupo se comprometeu com medidas e reformas para permitir a aceleração do crescimento econômico global 2 pontos porcentuais em horizonte de cinco anos.

O G20 é formado pelos países industrializados do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido); por 12 emergentes (Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, China, Coreia do Sul, Índia, Indonésia, México, Rússia, África do Sul e Turquia) e pela União Europeia (UE).

O grupo surgiu após a crise asiática de 1997 e teve grande visibilidade como fórum de coordenação durante a crise financeira global de 2007-2008, realizando cúpulas anuais.

Leia mais:

'Inflação do aluguel' tem alta de 12% em 12 meses, diz FGV

Alta do dólar faz Banco Central encerrar 2015 com lucro recorde

(Com Estadão Conteúdo e France-Presse)

TAGs:
Fundo Monetário Internacional - FMI
China
G20