Mais Lidas

  1. Polícia Federal deflagra a 29ª etapa da Operação Lava Jato

    Brasil

    Polícia Federal deflagra a 29ª etapa da Operação Lava Jato

  2. Em gravações, Jucá sugere pacto para deter Lava Jato, diz jornal

    Brasil

    Em gravações, Jucá sugere pacto para deter Lava Jato, diz jornal

  3. Ana Hickmann sobre atentado: ‘Estou profundamente abalada’

    Entretenimento

    Ana Hickmann sobre atentado: ‘Estou profundamente abalada’

  4. Teori inclui provas de relação entre Lula e Esteves em denúncia no STF

    Brasil

    Teori inclui provas de relação entre Lula e Esteves em denúncia no STF

  5. Fórum VEJA discute nesta segunda o futuro do Brasil

    Brasil

    Fórum VEJA discute nesta segunda o futuro do Brasil

  6. ‘Saturday Night Live’ faz piada com afastamento de Dilma: ‘aposentada’

    Entretenimento

    ‘Saturday Night Live’ faz piada com afastamento de Dilma: ‘aposentada’

  7. Conexão África

    Brasil

    Conexão África

  8. A primeira-dama e o hacker

    Brasil

    A primeira-dama e o hacker

Brasil vai encolher 3,5% em 2016 e não vai crescer em 2017, diz FMI

Fundo vê piora do quadro econômico por causa das incertezas políticas e amplia projeção de retração; em outubro, instituição projetava queda de 1% do PIB do país

- Atualizado em

Sede do FMI em Washington
Sede do FMI, em Washington(Chip Somodevilla/Getty Images/VEJA)

A economia do Brasil deve terminar 2016 com uma retração de 3,5%, segundo as projeções revisadas do Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciadas nesta terça-feira. No ano passado, o produto interno bruto (PIB) brasileiro encolheu 3,8%, estima o Fundo. Para 2017, o FMI prevê crescimento zero.

Em outubro, a previsão do Fundo era que o Brasil terminaria 2016 com retração econômica de 1%. O FMI destacou que a recessão, "provocada pela incerteza política em meio às sequelas" das investigações sobre denúncias de corrupção na Petrobras, "está demonstrando ser mais profunda e prolongada do que o esperado".

O peso do Brasil contribui para derrubar as expectativas de crescimento em toda a América Latina, segundo o FMI. A economia da América Latina e do Caribe deve fechar 2016 com um retrocesso de 0,3%, de acordo com as previsões. Em outubro, a previsão para a região era de crescimento de 0,8% neste ano. Para 2017, o FMI espera para a região um crescimento de 1,6%.

"A projeção atual aponta que o PIB agregado da América Latina e do Caribe também registrará contração em 2016, mas com uma taxa menor que em 2015, apesar do crescimento positivo na maioria dos países da região. Isso reflete a recessão do Brasil e de outros países em dificuldades econômicas", aponta o FMI.

No relatório, o Fundo prevê uma "melhora gradual" nas taxas de crescimento dos países que "estão passando por tensões econômicas" e cita os casos de Brasil, Rússia e alguns Estados do Oriente Médio. Ao mesmo tempo, no entanto, a instituição indica que "mesmo essa recuperação parcial projetada pode ser frustrada por novos choques econômicos ou políticos".

Mundo - O FMI também revisou para baixo suas projeções de crescimento global, no terceiro corte em menos de um ano. O Fundo citou a acentuada desaceleração no comércio da China e os preços fracos das commodities, que estão prejudicando economias como as do Brasil e de outros mercados emergentes, para justificar a revisão.

Na nova previsão, o FMI prevê que a economia mundial vai crescer 3,4% em 2016 e 3,6% em 2017. Para ambos os anos, o corte na projeção foi de 0,2 ponto porcentual em comparação com o relatório de outubro.

Leia mais:

China cresce 6,9% em 2015, o pior resultado em 25 anos

Barbosa diz que foco da política econômica é estimular o crescimento

(Com AFP)