Mais Lidas

  1. Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

    Entretenimento

    Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

  2. Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

    Brasil

    Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

  3. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  4. Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em série

    Brasil

    Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em...

  5. Paixão, obsessão e morte

    Entretenimento

    Paixão, obsessão e morte

  6. Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

    Mundo

    Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

  7. A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima de estupro coletivo

    Brasil

    A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima...

  8. Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

    Entretenimento

    Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

Renda média mensal do trabalhador sobe 8% no Brasil

Embora tenha sofrido redução, concentração de renda segue alta, admite IBGE

- Atualizado em

Nota de 100 reais
Renda dos 10% da população com menos salários teve crescimento de 29,2%(Getty Images/VEJA)

A renda média mensal dos trabalhadores brasileiros subiu 8,3% em relação a 2009, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De forma geral, os salários dos mais pobres aumentaram mais do que os salários dos mais ricos.

O rendimento médio do trabalhador ocupado passou de 1.242 reais em 2009 para 1.345 reais em 2011, com aumentos registrados em todas as regiões. A maior elevação nos rendimentos de trabalho no período - 29,2% - foi observada para os 10% da população com menor renda, na faixa de 144 reais para 186 reais. Segundo o IBGE, o ritmo do expansão do rendimento diminui conforme a faixa de renda aumenta. "Os maiores aumentos ocorreram, de forma geral, nas faixas de rendimento mais baixas", disse Maria Lucia Vieira, gerente da PNAD.

Como resultado, o Índice de Gini para os rendimentos de trabalho no Brasil recuou de 0,518 em 2009 para 0,501 em 2011. Quanto mais próximo de zero, menos concentrada é a distribuição de renda.

Contra a maré - A região Norte foi a única a verificar aumento na concentração de renda no período. O Índice de Gini local avançou de 0,488, em 2009, para 0,496, em 2011. O resultado equivale a dizer que, em geral, a desigualdade diminuiu no Brasil, mas aumentou no Norte do país. "Os mais pobres ganharam mais do que aqueles que têm rendimento mais elevado. Mas, na Região Norte, o Gini aumentou porque, além dos maiores aumentos terem sido nas duas últimas faixas de renda (as mais altas), a classe com rendimento mais baixo ainda teve uma pequena redução no rendimento", acrescentou Maria Lucia.

Embora o Índice de Gini nacional venha melhorando, os 10% da população ocupada com renda mais elevada ainda concentraram 41,5% do total dos rendimentos de trabalho em 2011. Em 2009, os 10% da população com maior renda concentravam 42,5% dos rendimentos pagos aos trabalhadores brasileiros.

"A concentração de renda melhorou em relação a 2009, porém, mais de 40% do rendimento ainda são concentrados nos 10% da população com renda mais elevada", lembrou a gerente da pesquisa.

A renda média mensal dos domicílios particulares permanentes foi estimada em 2.419 reais em 2011, um aumento real de 3,3% em relação a 2009, quando era de 2.341 reais. Na comparação entre homens e mulheres, a renda média mensal dos homens ocupados foi de 1.417 reais e a das mulheres ficou em 997 reais, ou seja, as mulheres recebiam 70,4% do rendimento de trabalho dos homens. Em 2009, essa proporção era de 67,1%.

Leia também:

País avançou em emprego e escolaridade

Mais de 69% da população brasileira têm celular

Brasil, um país de solteiros

(Com Agência Estado)

TAGs:
IBGE