Mais Lidas

  1. Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

    Mundo

    Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

  2. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  3. Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de invasão de terras

    Brasil

    Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de...

  4. Lula pede ao STF acesso à delação de Pedro Corrêa

    Brasil

    Lula pede ao STF acesso à delação de Pedro Corrêa

  5. Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

    Entretenimento

    Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

  6. Zoológico nos EUA defende decisão de matar gorila

    Mundo

    Zoológico nos EUA defende decisão de matar gorila

  7. Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

    Brasil

    Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

  8. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

China e Índia devem dominar demanda por energia nas próximas décadas

Segundo diretor da Agência Internacional de Energia, os dois países asiáticos devem compensar a queda na procura por energia dos países desenvolvidos no longo prazo

- Atualizado em

Usina termoelétrica em Baotou, China
Usina termoelétrica em Baotou, na China(David Gray/Reuters/VEJA)

A demanda da China por energia continuará a superar a dos demais países até 2040, quando deverá ser ultrapassada pela da Índia, segundo Keisuke Sadamori, diretor de mercados de energia da Agência Internacional de Energia (AIE).

Na Semana Internacional do Petróleo, que acontece em Londres, Sadamori disse aos delegados presentes que Índia e a China devem compensar a queda na demanda prevista nos países desenvolvidos no longo prazo. Segundo ele, um crescimento maior da demanda deve vir de nações emergentes do Oriente Médio.

Sadamori também afirmou que o crescimento da energia na China deve atingir um pico em 2030, mas quando isso ocorrer o país terá maior capacidade de usar energias renováveis e nuclear. Segundo ele, as fontes de energia do país asiático estão mudando, com mais espaço para o gás, as energias renováveis e a nuclear, e menos para o carvão.

O dirigente da AIE disse que a recente queda na demanda chinesa por carvão é um importante fator que deve contribuir para reduzir os preços do produto. Segundo ele, a ênfase maior em energia renovável, nuclear e no gás pode significar que o consumo de carvão atingiu um pico no país. Sadamori, no entanto, acrescentou que o consumo de carvão pela Índia está aumentando e que ela deve substituir a China como o maior consumidor global de carvão, o que pode impulsionar os preços ao longo da próxima década.

Leia também:

Tarifas de energia devem cair cerca de 7% a partir de março, diz ministro

Aneel aprova novas regras para as bandeiras tarifárias

(Com Estadão Conteúdo)

TAGs:
China
Índia