Comércio exterior

Brasileiros têm prejuízo com operação 'Maré Vermelha'

Encomendas de produtos adquiridos no exterior podem demorar até quatro meses para chegar às residências, graças aos atrasos na alfândega

Naiara Infante Bertão, de Santos, e Nathan Fernandes
  • Contêineres armazenados nos terminais da Santos Brasil, no Porto De Santos

    Ivan Pacheco

  • Navios aguardam atracação no Porto de Santos

    Ivan Pacheco

  • Vista de guindastes de conteiners e navios cargueiros no Porto de Santos, no litoral paulista

    Ivan Pacheco

  • Funcionário opera guindastes "Shipto Shore" nos terminais da Santos Brasil, no Porto De Santos

    Ivan Pacheco

  • Movimentação de contêineres prontos para desembarque no terminal de Santos, porto privado na cidade do Guarujá

    Ivan Pacheco

  • Movimentação de contêineres prontos para o embarque no terminal de Santos

    Ivan Pacheco

  • Funcionários inspecionam contêineres em processo de armazenamento, no Porto de Santos

    Ivan Pacheco

  • Operação de transporte de cargas, na maior operadora de terminais de contêineres do país, na margem esquerda (Guarujá - SP) do porto de Santos

    Ivan Pacheco

  • Funcionário inspeciona contêineres, no processo de armazenamento de contêineres

    Ivan Pacheco

  • Manobra de máquina, no Porto de Santos, litoral sul de São Paulo

    Ivan Pacheco

  • Contêineres prontos para embarque no terminal de Santos, porto privado na cidade do Guarujá

    Ivan Pacheco

  • Movimentação no terminal privado de contêineres, no Porto de Santos

    Ivan Pacheco

  • Vista geral do terminal privado, no Porto de Santos

    Ivan Pacheco

Foto 0 / 13

Ampliar Fotos

O aperto na fiscalização de produtos importados nos portos não está prejudicando apenas o dia a dia de empresas que trazem de outros países insumos indispensáveis a seus negócios. Milhares de brasileiros têm vivido verdadeiros dramas pessoais para receber mercadorias compradas no exterior. A reportagem de VEJA ouviu relatos de homens e mulheres (veja quadro abaixo) que costumavam adquirir produtos através de sites de comércio eletrônico, sediados sobretudo nos Estados Unidos e na China. Em alguns casos, a demora causada pela operação 'Maré Vermelha' da Receita Federal pode chegar a até quatro meses.

Maré Vermelha 2 - personagens

1 de 4

Abaixo-assinado pede providências ao governo

Rayan Barizza, 28 anos, estudante de pós-graduação – espera de 4 meses por seus produtos

Há pouco mais de 40 dias, o estudante de pós-graduação em direito administrativo Rayan Barizza, de 28 anos, criou uma petição pública na internet para mobilizar os descontentes com os atrasos nas encomendas de produtos importados. Morador de Ribeirão Preto, Barizza já conta com quase 7 mil pessoas que o apoiam na reclamação. Como muitos brasileiros, ele também opta por comprar eletrônicos e roupas no exterior porque, muitas vezes, saem pela metade do preço ou com um bom desconto. Ele importa produtos principalmente dos Estados Unidos e da China para uso pessoal, mas já começa a pensa duas vezes antes de fazer as aquisições.

"Antes, as mercadorias demoravam em torno de trinta dias para chegar. Agora não sei nem se vou receber o que comprei”, lamenta. Ele tem oito encomendas que passaram sobremaneira o tempo habitual de entrega. Seus pedidos mais antigos foram um console e um jogo para Xbox, no valor de 220 reais, encomendados em 31 de janeiro, ou seja, há quase quatro meses. Seu abaixo-assinado foi encaminhado ao Ministério Público, que, inclusive, lhe enviou uma resposta. “Os termos da comunicação foram transmitidos aos setores competentes para a adoção das medidas cabíveis”, diz o texto. Até agora, nada.


Ainda que o Palácio do Planalto não admita que a operação – que aumenta o número de cargas fiscalizadas no chamado 'canal vermelho' da Alfândega, que faz vistoria documental e física – configure uma medida protecionista, há sinais que apontam nesta direção. No início de abril, o próprio ministro da Fazenda, Guido Mantega, ressaltou em cerimônia de lançamento do plano de incentivos econômicos “Brasil Maior 2” que medidas de defesa comercial seriam intensificadas para proteger a indústria doméstica. Em sua apresentação a empresários e jornalistas, a "Maré Vermelha", que começou em março, aparece com destaque com uma das ações mais importantes a compor essa estratégia. "É a maior operação já executada contra fraudes no comércio exterior”, destacou.

O problema principal da operação não é o aumento da fiscalização em si. O governo, aliás, está correto em fechar o cerco aos fraudadores. A crítica que se faz é direcionada ao despreparo da própria Receita para executar a ação. Como resultado, consumidores enfrentam atrasos de até quatro meses na entrega de suas encomendas. As empresas, por sua vez, sentem os efeitos na diminuição do seu ritmo de produção e muitas até estão fechando as portas – principalmente as menores que não conseguem arcar com o aumento de custos causado pela operação ou não trabalham com estoques. Despachantes relatam dificuldade para prestar seus serviços e os próprios auditores fiscais reclamam que estão sobrecarregados de trabalho. Em Santos, no litoral paulista, onde está localizado o maior porto brasileiro, há navios que não conseguem atracar na data marcada nos terminais portuários devido à demora na liberação de cargas que chegaram antes.

No fim, quem perde é o consumidor, quer seja pelo aumento dos preços – fruto dos custos maiores que são repassados pelas empresas, que precisam desembolsar mais em armazenagem e manejo de mercadorias –, quer  pela própria demora na entrega dos pedidos.

'Má' fama internacional – A fama dos atrasos já ganhou projeção mundial. Segundo usuários do site de leilões online eBay, o Brasil, a Rússia e a Itália são os piores países para o comércio eletrônico. Alguns vendedores internacionais evitam enviar remessas a esses locais, pois os produtos somem ou demoram excessivamente – como é o caso brasileiro – para chegar em seu destino.

Abaixo-assinado – Para mostrar ao governo o descontentamento com a ação, 6.962 pessoas que costumam fazer compras internacionais assinaram um abaixo-assinado contra a ineficiência da Receita Federal e dos Correios. O criador da petição é o estudante de pós-graduação em direito administrativo, Rayan Barizza, 28 anos (veja quadro). Indignado com os atrasos de seus pedidos, ele diz que não agüentou ficar de braços cruzados e decidiu tomar uma atitude.

“Se a Receita aumentasse o número de auditores proporcionalmente ao crescimento da fiscalização, tudo bem. Mas juntando o excesso de trabalho [dos auditores] com a morosidade do funcionalismo público, quem arca com o prejuízo é a população”, diz Gerson Viscardi, sócio da consultoria Broker Solutions e despachante no Porto de Santos.

Risco de greve – Os atrasos podem se agravar ainda mais se o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco) não chegar a um acordo com o governo federal sobre o reajuste de salário que pede. Uma mobilização está marcada para 30 de maio. Nesta quarta-feira, a categoria promete fazer uma nova "operação-padrão" – a exemplo da última ocorrida em 9 de maio, quando não houve liberação de mercadorias nos portos, aeroportos e fronteiras do país. Se o Planalto não oferecer uma proposta concreta, será votada na mesma data a indicação de greve por tempo indeterminado, a começar na segunda quinzena de junho.

A auditora fiscal e também vice-presidente da filial de Santos do Sindifisco, Maria Cristina Eusébio, afirmou ao site de VEJA que a defasagem de salário tem levado muitos auditores a prestar concursos públicos e abandonar a profissão em busca de uma remuneração melhor. Com isso, a auditoria da Receita já tem déficit de profissionais. Ayrton de Castro Bastos, secretário-geral do Sindifisco, conta que 450 pessoas foram chamadas a trabalhar em 2009, data do último concurso público. Desde então, mais de 500 já se desligaram, quer seja por aposentadoria, quer por pedido de demissão. “No Porto de Manaus são apenas três auditores para liberar toda a mercadoria”, afirma. Bastos acrescenta que, grosso, o trabalho que cada funcionário tem de fazer diariamente triplicou após a Maré Vermelha.

Reforço – No início da operação, em 19 de março, alguns funcionários da Receita de outras localidades do país foram convidados a ajudar nos trabalhos do Porto de Santos, que responde por cerca de 40% do volume movimentado nos portos brasileiros. Contudo, eles só ficaram um mês na Baixada Santista. Os funcionários do porto dizem que alguns se assustaram com o volume de trabalho e a pressão. Outros simplesmente alegaram que não podiam deixar mais seus respectivos chefes na mão.

"Como eles vieram voluntariamente, tinham o direito de voltar depois de um mês, que era o período do acordo, se quisessem”, explicou Maria Antonieta Rodrigues, também auditora em Santos no setor de análise de documentação. De fato, os novatos tinha muita dificuldade. Por não terem treinamento na área de fiscalização ou não estarem acostumados com o tipo de mercadoria manejado em Santos, eles demoravam o dobro do tempo de um auditor experiente para liberar os produtos. Resultado: filas de processos, despachantes irritados, auditores estressados e maiores custos aos importadores. Em meados de abril, dos três voluntários que foram ajudar no litoral paulista apenas dois continuaram.

Concurso público – Um alento para os auditores veio nesta sexta-feira, quando foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) a autorização do Ministério do Planejamento para que a Receita prepare um concurso público para auditor fiscal (200 vagas) e também para analista tributário (750 vagas). Mesmo que os novos cheguem para reforçar, eles terão ainda de ser treinados e demorarão um tempo para se adaptarem à rotina portuária. Sem prazo para terminar, a mal-planejada operação Maré Vermelha deve continuar a prejudicar a população brasileira (veja quadro acima).

Leia mais:
Empresas têm prejuízo com 'Maré Vermelha' da Receita

Auditores fiscais devem fazer nova mobilização no dia 30

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados