Evo Morales, sua namorada, um filho secreto e um escândalo de corrupção

O presidente boliviano está sendo acusado de favorecer a empresa chinesa gerenciada por sua ex-namorada, com quem teve um filho até então desconhecido

Um jornalista da oposição boliviana divulgou recentemente uma certidão de nascimento que comprova a existência de um filho, até então desconhecido, do presidente Evo Morales com uma antiga namorada e empresária. Segundo a oposição, após o caso com o líder boliviano, Gabriela Zapata mudou de vida repentinamente e conquistou o cargo de gerente comercial de uma empresa transnacional chinesa que atua no país, em um ato classificado como “tráfico de influências”.

As denúncias do jornalista Carlos Valverde no canal de televisão Activa TV vieram pouco antes de um referendo, marcado para 21 de fevereiro, em que os bolivianos devem decidir se aceitam a reeleição do presidente para o pleito de 2019. O governo boliviano admitiu o relacionamento entre Evo e Gabriela e o nascimento do bebê em 2007, que morreu com um ano de idade. O presidente, no entanto, nega as acusações de tráfico de influência e determinou a investigação dos contratos com a transnacional chinesa.

Leia também:

Evo Morales ataca de Jedi em vídeo promocional – e ridículo

EUA investigam por narcotráfico pessoas próximas a Evo Morales

Papa ganha um ‘presentão’ de Evo Morales: crucifixo de foice e martelo

“A controladoria-geral deve investigar imediatamente e revelar a verdade sobre os contratos com a Camc [nome da empresa chinesa]. Peço isso publicamente, que façam uma investigação profunda”, disse Evo após a divulgação do escândalo. “Não sei nada de tráfico de influência ou corrupção, mas sei que perto de votações como o referendo aparece qualquer mentira.”

Desde 2013 Zapata é gerente executiva da empresa chinesa detentora de diversos contratos de obras do governo boliviano – os valores somam 566 milhões de dólares (mais de 2 bilhões de reais). Segundo Valverde, o envolvimento da ex-namorada de Morales com a Camc teria favorecido a empresa na obtenção de contratos com o governo para a construção de uma mina de potássio no Salar de Uyuni, uma linha de trem e uma represa.

Em meio ao escândalo, as últimas pesquisas de opinião indicam um empate entre o “sim” e o “não” no referendo do próximo domingo. Segundo levantamento do instituto Mori, publicada na última sexta-feira, havia um empate técnico com 40% das intenções de voto para cada lado. Em relação à última pesquisa realizada pelo mesmo instituto, a opção pelo “sim” oscilou um ponto para baixo, enquanto o “não” cresceu três pontos. Ao menos 11% dos eleitores ainda estão indecisos.

(Da redação.)