‘Ninguém quer ficar sozinho’, diz atriz de ‘Os Homens São de Marte…’

Mônica Martelli é categórica quando o assunto é amor, assim como Fernanda, a personagem que já passou pelo teatro, chega agora ao cinema e ruma para a TV

“Eu sou filha de uma feminista e não fui criada para casar, cresci ouvindo minha mãe falar mal de casamento. Mas eu acho tão bom viver um amor”

Fernanda, a protagonista de Os Homens São de Marte… E É pra Lá que Eu Vou!, que estreou nesta quinta-feira nos cinemas, clama aos quatro ventos, sem medo: “Eu preciso de um homem!” Da mesma forma destemida, a criadora e real inspiração da personagem, a atriz Mônica Martelli, afirma: “Ninguém quer ficar sozinho na vida.” Ela é categórica quando o assunto é amor e não esconde que as inseguranças e preocupações excessivas de Fernanda sobre o assunto são, também, suas.

Leia também:

Paulo Gustavo rouba cena em ‘Os Homens são de Marte…’

Mônica confessa que, após o fim de seu casamento de dez anos com o produtor musical Jerry Marques, ela pensou que não pudesse se apaixonar de novo. Descobriu estar errada e agora, pouco mais de um ano após o divórcio, namora o investidor Patrice de Camaret. “A vontade de viver um amor e o medo de não encontrar uma pessoa para você não mudam nunca”, disse em entrevista ao site de VEJA.

Para ela, a temática universal é o que justifica o sucesso da personagem, inspirada nas histórias pessoais de Mônica. Criada para o teatro em 2005, em forma de monólogo, a história de Fernanda rodou o país por nove anos e foi assistida por 2 milhões de pessoas. “As sensações são as mesmas sempre, por isso acho que existe uma grande identificação do público com a Fernanda”, afirma. E, como não bastam o teatro e o cinema para uma personagem tão forte, ela agora ruma para a televisão, com a estreia de uma série no canal pago GNT prevista para setembro.

Após passar por um casamento e um divórcio, você enxerga os relacionamentos de um jeito diferente do que enxergava quando estava solteira? Não, o desejo de encontrar um amor transcende todas as épocas, todas as idades, alcança homens, mulheres, heterossexuais, homossexuais. A vontade de viver um amor e o medo de não encontrar uma pessoa para você não mudam nunca. As sensações são as mesmas sempre, por isso acho que existe uma grande identificação do público com a personagem da Fernanda. Quando eu me separei, não queria pensar em homem, mas isso logo passou. E após o divórcio, ao entrar em cena na peça, senti tudo o que a Fernanda estava sentindo. Depois do casamento, quando voltei a namorar, cheguei a pedir para a minha irmã analisar comigo mensagens que o meu namorado havia me mandado.

Você é filha de uma feminista que queimava sutiã. Não tem medo de o filme ser mal recebido porque a Fernanda está sempre à procura de um homem para ser feliz? Não tenho, ninguém quer ficar sozinho na vida. A Fernanda é uma mulher independente, ela trabalha, corre atrás e quer um companheiro. Ela tem 39 anos e nunca teve filho, isso é muito sério porque óvulo tem data de validade. Antes de eu engravidar da Julia, minha filha, eu passei por três abortos. Muitas mulheres consideram a busca pelo casamento algo menor, mas a Fernanda fala disso sem medo. Eu sou filha de uma feminista e não fui criada para casar, cresci ouvindo minha mãe falar mal de casamento. Mas eu acho tão bom viver um amor, não precisa falar mal de homem, não é assim. Você não precisa ser bem sucedida e não olhar para homem, isso é uma bobagem.

A peça e o filme lembram a Bridget Jones, personagem neurótica com o corpo e desesperada para encontrar um amor. A Fernanda seria uma Bridget à brasileira? Com certeza. É uma Bridget Jones brasileira, mas não me inspirei nela, me inspirei nas minhas histórias e nas histórias de amigos, mesmo. Muita gente me falava que esse tema já estava batido, mas tudo depende da forma como você faz. Tudo na vida já foi feito e falado, você só precisa dar o seu olhar.

Como foi levar a peça às telas do cinema? Quando estreei a peça, ensaiava na sala da casa da minha mãe. Estava cansada de esperar uma oportunidade. Fiz muitas participações, mas a coisa não ia para frente. O mundo não tem culpa, ele não tem que saber que você é bom, você que tem que mostrar isso. O Paulo Gustavo foi ver a minha peça umas quatro vezes e teve a ideia de fazer um monólogo também, que se transformou em Minha Mãe É uma Peça. A gente é muito amigo, troca experiências, liga um para o outro às 3 horas da madrugada.

Muito se fala sobre o peso das comédias para o cinema brasileiro. Há como fugir do padrão estereotipado do estilo? O que acha das críticas ao gênero? Existem vários tipos de comédia. O problema é querer generalizar comédia em uma coisa só. Eu faço humor de situação, de causar o riso a partir da identificação com o personagem. Tem espaço para todo mundo, para todos os gostos. As críticas sempre existiram, mas para mim o humor é muito superior, ele te faz pensar. O problema é que existe preconceito com esse gênero no mundo inteiro.

Quais são seus próximos projetos? A história da Fernanda vai virar uma série no GNT no final de setembro. Ela já vai estar em outra fase, após terminar um casamento de cinco anos, com 41 anos e sem filhos. Entre abril e maio de 2015 eu abro a temporada da minha nova peça, que é a continuação da história da Fernanda, com ela casada. E provavelmente vai virar filme também.