Perseverança pode elevar desempenho escolar em 30%

Pesquisa mostra que características pessoais como determinação e autocontrole têm influência direta no aprendizado

Perseverança, autocontrole e determinação podem elevar o desempenho de estudantes em até 30%. A conclusão é de um estudo divulgado pelo Instituto Ayrton Senna (IAS) e pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Segundo a pesquisa, alunos do ensino médio que apresentam mais determinação, por exemplo, do que seus pares de turma obtêm melhor desempenho em matemática.

A pesquisa cruzou resultados da prova do Sistema de Avaliação da Educação do Estado do Rio de Janeiro (Saerj), que mede o desempenho em matemática e português, com dados obtidos através de um relatório aplicado a cerca de 25.000 alunos, que traçou um perfil socioemocional dos estudantes. De acordo com os resultados, um aluno mais disciplinado fica, em média, quatro meses e meio adiante de um colega desmotivado no calendário escolar, ainda que ambos tenham a mesma “raça” e idade e condição econômica e familiar semelhantes.

Com base na experiência de outros países, como Suécia e Noruega, além dos resultados obtidos com alunos do Rio de Janeiro, a OCDE afirma que as características pessoais precisam ser mais bem trabalhadas nas escolas. Segundo a instituição, elas contribuem não só no aprendizado, mas também se refletem na vida fora da escola e podem influenciar no mercado de trabalho.

Leia também:

Baixo grau de instrução dos pais interfere no desempenho escolar dos filhos

Estudo aponta cinco características dos bons alunos

“O desenvolvimento dos aspectos socioemocionais desde os primeiros anos da educação infantil até o ensino médio é essencial para melhorar o desempenho escolar e deve pautar as discussões dos países sobre seus currículos e formação de professores”, destacou Yves Leterme, secretário-geral da OCDE, durante o lançamento da pesquisa.

Diante desses dados, o Ministério da Educação (MEC) decidiu financiar bolsas de estudo de doutorado e mestrado para embasar a formação de professores nessa área. “Precisamos entender melhor a influência desses fatores na escola e definir os parâmetros de ensino para depois definir como essas competências serão medidas e como vão influenciar indicadores de qualidade como o Ideb [Índice de Desenvolvimento da Educação Brasileira]”, afirmou Chico Soares, presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais.

A pesquisa também reforçou a constatação de que o ambiente familiar é fator central no desenvolvimento das caracterísiticas pessoais. Crianças que têm mais acesso à literatura em casa, por exemplo, conseguem controlar melhor seus impulsos, tornam-se mais persistentes e avançam 20% a mais na escola que os demais estudantes.

“Os aspectos socioemocionais começam a se desenvolver antes mesmo do nascimento. Por isso, precisamos pensar a partir de agora em políticias públicas que não só ajudem os professores, mas que também abram espaço para a maior participação familiar no desenvolvimento do caráter desses estudantes”, afirma Jorge Almeida Guimarães, presidente da Capes.