Um novo cigarro

Depois de muita pesquisa, a Philip Morris, a líder mundial de tabaco, aposta num novo produto, supostamente menos nocivo do que o convencional

A maior empresa tabagista do mundo lançou um novo cigarro supostamente menos nocivo do que o convencional. Criado pela Philip Morris, o produto tem uma aposta difícil: proporcionar uma experiência semelhante à do cigarro, mas com impacto menor à saúde, de acordo com o fabricante. O IQOS (lê-se “aicós”) é um dispositivo eletrônico na forma de uma piteira dentro da qual se coloca um pequeno bastão de tabaco. O pulo do gato é a temperatura de combustão, de apenas 300 graus, e não dos usuais 600 graus. Com isso, o tabaco é apenas aquecido, e não queimado. Grande parte dos malefícios do cigarro comum vem justamente das altas temperaturas que liberam substâncias químicas e nocivas. De acordo com o fabricante, o IQOS conteria níveis até 90% inferiores de substâncias cancerígenas em relação aos que existe no mercado.

Os especialistas médicos são resistentes ao produto. O dispositivo carrega níveis de nicotina semelhantes ao do cigarro comum e, portanto, afeito a dependência ao fumo. De acordo com o CDCL, órgão americano de pesquisa na área de saúde, a nicotina estimula as áreas de satisfação e recompensa no cérebro e é tão viciante quanto heroína. O produto foi Japão em 2016, a peça eletrônica já foi aprovada em 25 países, como Alemanha, Suíça, Portugal, Canadá e Colômbia. Não há previsão de chegada no Brasil.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ronaldo Magnavacca

    A industria fumageira sempre se reinventando para atrair seus incautos consumidores e aderir novos. Esse é o ciclo do vicio, afinal é com o vicio de muitos que poucos se enriquecem, infelizmente. Continue fumando (aqui digo daquela figura com o fumante com o pé no caixão)….

    Curtir

  2. José Antonio Debon

    A imagem é bem semelhante ao anuncio do Malboro que matou o garoto propaganda.

    Curtir

  3. Cigarro vicia, causa dependencia, causa cancer… mata… esta eh a verdade , a industria do tabaco tem interesse somente em levar as pessoas a experimentarem com a promessa de que eh menos nocivo. uma vez a pessoa estando viciada ela comecar’a a utilizar produtos mais fortes das marcas e a roda do faturamento. As empresas de fumo nao estao nem um pouco interessadas na saude das pessoas , querem ‘e que elas consumam , se viciem , e viciem outras pessoas…

    Curtir

  4. Adilson Nagamine

    Fumo compulsivo. Neuróticos anônimos

    Curtir

  5. RTS Serviços

    O fumante hoje só pode ser comparado a um suicida… o dia que inventarem um escafandro para fumante, que não permita que a menor parcela de fumaça escape para o ambiente e que 100% da fumaça seja “consumida” pelo suicida, serei 100% a favor…enquanto não existir, lugar reservado a fumante a 100 km de onde eu estiver…

    Curtir