Trabalhadores da Adidas, Nike e Puma em Bangladesh foram maltratados

Trabalhadores das três empresas tinham horários superiores ao limite legal, com remunerações inferiores ao salário mínimo

Trabalhadores de Bangladesh que fabricam artigos esportivos para Puma, Nike e Adidas foram agredidos fisicamente, afirma o jornal britânico The Observer.

Os bengaleses que trabalham em fábricas destas três marcas, que patrocinam os Jogos Olímpicos de Londres-2012, afirmaram que foram agredidos, insultados e assediados sexualmente, segundo o jornal.

“Em uma fábrica da Puma, dois terços dos trabalhadores entrevistados foram agredidos, socados, empurrados ou insultados”, afirma o Observer, que investigou as fábricas em conjunto com a ONG War on Want, que combate pobreza em países em desenvolvimento.

Em uma fábrica da Adidas, muitas funcionárias afirmaram que foram obrigadas a retirar as peças que usavam para cobrir os seios.

Trabalhadores das três empresas tinham horários superiores ao limite legal, com remunerações inferiores ao salário mínimo.

Uma porta-voz da Nike afirmou que a empresa está investigando as acusações.

“A Nike leva muito a sério as condições de trabalho de nossas fábricas”, disse.

A Adidas destacou que suas fábricas de Bangladesh estavam submetidas a inspeções regulares e que no ano passado identificou “pontos críticos” a respeito dos horários de trabalho e dos salários em uma de suas unidades.

A empresa garantiu ao Observer que a questão dos salários foi solucionada. Também destacou que estava preocupada com as informações de assédio ou agressão física dos trabalhadores, e que investigará as acusações.

A Puma informou ter detectado provas de que funcionários estavam trabalhando mais horas do que o previsto em uma de suas fábricas e se comprometeu a resolver o problema.

(Com agência France-Presse)