TAM prefere concessão por área em aeroporto

Por Glauber Gonçalves

Rio – O presidente da holding TAM, Marco Antonio Bologna, afirmou hoje que a empresa teria mais interesse na concessão dos aeroportos caso o modelo adotado fosse o de concessão de áreas e não de todo o aeroporto. O maior interesse da TAM, segundo ele, seriam os terminais de passageiros e de cargas e áreas de manutenção, segmentos mais ligados à atividade da companhia. Até agora, no entanto, o governo tem demonstrado que pretende conceder os aeroportos de forma integral a consórcios de empresas, nos quais as companhias aéreas podem ter participação minoritária.

Durante palestra em seminário da Air Transport Action Group (ATAG), hoje no Rio, Bologna disse que a movimentação anual de passageiros quadruplicará no País em 15 anos. “Vamos quadruplicar em 15 anos a acessibilidade das pessoas ao modal aéreo.” O executivo alertou que o grande crescimento previsto para os próximos anos pressionará por soluções rápidas para os gargalos de infraestrutura aeroportuária do País.

Sobre o caso de São Paulo, onde o problema de deficiência de infraestrutura é mais grave, Bologna disse que deve-se avaliar, inclusive, a possibilidade de construção de um terceiro aeroporto. “Temos que avaliar eventualmente mais um aeroporto em São Paulo”, declarou. Ele afirmou que o aeroporto de Viracopos, em Campinas, pode ser ampliado para atender parte da demanda, mas ressaltou a deficiência das ligações rodoviárias da capital paulista para a cidade e apontou a necessidade de investimentos.

O executivo salientou, no entanto, que o País não deve olhar apenas para os grandes aeroportos, pois grande parte da expansão nos próximos anos virá de destinos no interior. “Temos também que olhar os aeroportos do interior, que tem crescimento do PIB muito mais significativo que nas regiões desenvolvidas. Não basta só olhar ou planejar os aeroportos que no momento estão apertando o calo”, disse.

No evento, Bologna afirmou ainda que as conexões entre cidades da América Latina são deficientes e precisam ser melhoradas. “Temos que pensar na integração da região …. Muitos vezes é mais fácil ir entre capitais da América do Sul via Miami do que direto. Há baixa integração e integração é importante para o desenvolvimento econômico de uma região”, afirmou. A TAM está em processo de fusão com a companhia chilena LAN.