PIB do Brasil recua 0,3% no 1º trimestre, diz IBGE

Resultado foi registrado na comparação com os três últimos meses do ano passado. Trata-se da quinta queda seguida nesta base de comparação

A economia brasileira fechou o primeiro trimestre de 2016 com uma retração de 0,3% em relação ao quarto trimestre do ano passado, de acordo com números divulgados nesta quarta-feira, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o instituto, trata-se do quinto resultado negativo nesta base de comparação. Na comparação com igual período de 2015, houve contração de 5,4% na atividade econômica.

Pesquisa da Reuters apontava que a economia teria queda de 0,8% entre janeiro e março na comparação com o trimestre anterior e de 6% sobre o primeiro trimestre de 2015.

Ainda de acordo com o IBGE, em valores correntes, o PIB atingiu 1,47 trilhão de reais no primeiro trimestre de 2016. Nos últimos quatro trimestres, a queda acumulada é de 4,7% frente aos quatro trimestres anteriores.

Entre os setores, na comparação com os três últimos meses do ano passado, a agropecuária recuou 0,3%, a indústria caiu 1,2% e os serviços apresentaram variação negativa de 0,2%.

Na mesma base de comparação, a formação bruta de capital fixo recuou pelo décimo trimestre seguida (-2,7%), enquanto a despesa de consumo das famílias caiu pelo quinto trimestre seguido (-1,7%). Já a despesa de consumo do governo cresceu 1,1% em relação ao quarto trimestre de 2015.

O instituto ainda informou que a taxa de investimento no primeiro trimestre de 2016 foi de 16,9% do PIB, abaixo do observado no mesmo período do ano anterior (19,5%). Enquanto isso, a taxa de poupança foi de 14,3% no primeiro trimestre de 2016 (ante 16,2% no mesmo período de 2015).

Leia mais:

Mário Amato, ex-presidente da Fiesp, morre aos 97 anos

Feliz 2016: até esta quarta, brasileiro trabalhou só para pagar impostos

No último boletim Focus, o mercado financeiro projetou uma contração de 3,81% para o PIB este ano e uma alta de 0,55% para 2017. Já a OCDE prevê uma recessão ainda mais aguda: contração de 4,3% em 2016, seguida por uma nova queda, de 1,7%, em 2017, segundo relatório divulgado nesta quarta-feira.

(Da redação)