Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Petrobras foi a maior cliente do BNDES de 2001 a 2016

Empresas envolvidas em escândalos, como Embraer e Odebrecht, também estão entre as mais beneficiadas pelo banco

A Petrobras foi a maior cliente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no período de 2001 a 2016, mostra o Livro Verde – Nossa história tal como ela é, lançado nesta sexta-feira pelo presidente da instituição, Paulo Rabello de Castro. No período, foram contratados 128,5 bilhões de reais pela petroleira.

Nas posições seguintes aparecem a Embraer (85,9 bilhões de reais), Odebrecht (51,7 bilhões de reais), Norte Energia (34,9 bilhões de reais) e Votorantim (31,9 bilhões de reais). A Oi, operadora de telecomunicação em recuperação judicial, ocupa a sétima colocação (31,4 bilhões de reais). Já o grupo J&F, dos empresários Joesley e Wesley Batista, ficou na 19ª posição da lista (14,9 bilhões de reais).

“Nosso objetivo é uma grande prestação de contas a respeito das dúvidas que ao longo do recente processo político foram suscitadas, levando em conta a atuação do BNDES”, disse Rabello de Castro. O livro tem mais de 200 páginas e uma série de informações sobre as atividades da instituição no período de 2001 a 2016.

O presidente destacou que no atual processo político o banco acaba “fatalmente sendo indiretamente citado, mencionado ou lembrado”.

Novo diretor

Paulo Rabello de Castro confirmou o nome de Carlos Thadeu de Freitas Gomes para a área financeira. Também afirmou que na segunda-feira deve ser anunciado o novo diretor da área de planejamento e pesquisa.

Gomes substituirá Claudio Coutinho, que deixou o banco na semana passada após posicionamento dado por Rabello de Castro sobre a Taxa de Longo Prazo (TLP) ao serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado. Outro executivo que deixou o BNDES foi Vinicius Carrasco, da área de planejamento e pesquisa.

“Perdemos dois excelentes colaboradores”, afirmou Rabello. Os dois estavam diretamente envolvidos nas discussões sobre a taxa que está em discussão no Congresso para substituir a TJLP e que será usada nos financiamentos do banco.

(Com Estadão Conteúdo)