Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

ONS volta a cortar estimativas de chuvas para o Sudeste em fevereiro

Segundo o Operador Nacional do Sistema elétrico, o nível deve ficar em apenas 51% da média histórica para o mês

As previsões do Operador Nacional do Sistema (ONS) elétrico para o nível dos reservatórios de água se deterioram a cada semana. Nesta sexta-feira, o operador divulgou que a Energia Natural Afluente (ENA) para a região Sudeste deve ficar em 51% da média registrada no mês de fevereiro. Uma semana atrás, as previsões sugeriam ENA equivalente a 52% da média histórica.

Com isso, o ONS reduziu a previsão do nível dos reservatórios ao final do mês de 19,7% para 19,5% da capacidade. O número considera os reservatórios localizados nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, que correspondem a 70% da capacidade de armazenamento do país.

As novas projeções também sugerem volume menor de chuvas nas regiões Sul e Norte. A exceção fica por causa da região Nordeste, aquela onde o nível dos reservatórios é o mais baixo do país neste momento.

Leia também:

Governo pode estender horário de verão até março, diz ministro

Risco de falta de energia já ultrapassa limite tolerável no Sudeste

A ENA prevista para a região Sul foi reduzida de 126% para 106% da média histórica. No Norte, caiu de 76% para 56% da média histórica em meses de fevereiro. Na região Nordeste, por outro lado, a previsão foi elevada de 18% para 25%.

Diante dos novos números, o ONS acredita que, ao final de fevereiro, os reservatórios da região Sul estarão com 41,6% da capacidade. Na região Norte, o número considerado é de 34,7%. No Nordeste, o número previsto é de 16,5%.

O dado mais recente do ONS, referente a ontem, indica que os reservatórios na região Sudeste/Centro-Oeste estavam com 16,58% da capacidade. Os reservatórios da região Sul estão com 57,24% da capacidade. Na região Norte, o número é de 33,91%. Já na região Nordeste, está em 15,93%.

Sem qualquer iniciativa de restrição do consumo, a previsão do ONS para fevereiro é de que a carga encolha 2,2% na comparação com o mesmo período do ano passado. Na semana passada, a retração esperada era de 0,7%. Com isso, a carga mensal deve ficar em 68.357 MW médios, e não mais em 69.386 MW médios como divulgado.

(Com Estadão Conteúdo)