Mudança na MP do seguro-desemprego reduz em R$ 1 bi economia esperada pelo governo

O relator da medida provisória 664, deputado Carlos Zarattini (PT-SP), apresentou relatório reduzindo o prazo de contribuição exigido para concessão de pensão por morte

Na forma em que foram enviadas ao Congresso, medidas poderiam gerar uma economia de 18 bilhões de reais este ano. Mas houve redução de 3 bilhões após as mudanças

O relator da medida provisória 664, deputado Carlos Zarattini (PT-SP), apresentou nesta terça-feira parecer reduzindo o prazo de contribuição exigido para concessão de pensão por morte. Essa alteração, associada a outras modificações feitas ao texto original, acarretará redução estimada em cerca de 1 bilhão de reais na economia inicialmente projetada pelo governo, disse Zarattini.

A MP 664, que trata do auxílio doença e pensão por morte, e a MP 665, que modifica as regras de benefícios como o seguro-desemprego, o abono salarial e o bolsa pesca, fazem parte do ajuste fiscal proposto pelo governo para reequilibrar as contas públicas.

Na forma em que foram enviadas ao Congresso poderiam gerar uma economia de 18 bilhões de reais este ano. Com as modificações propostas até o momento pelos parlamentares, a economia esperada foi reduzida em cerca de 3 bilhões de reais.

LEIA TAMBÉM:

Sem acordo, comissão adia votação da MP sobre regras do seguro-desemprego

Senador do PT apresenta relatório mais brando sobre mudanças em seguro-desemprego

A MP 664 editada pelo governo estabelecia uma carência de 24 meses de contribuições e a exigência de dois anos de casamento para a concessão do benefício. Zarattini estipulou a exigência de 18 meses de contribuições e manteve a necessidade de dois anos de casamento ou união estável.

No texto apresentado à comissão mista, que analisará a medida antes de enviá-la à Câmara, Zarattini alterou ainda tabela que determina o prazo de duração da pensão, levando em conta a idade do beneficiário.

O texto original do governo estabelecia um redutor que limitava a pensão a 50% do valor que o segurado recebia somado a 10% por cada dependente. O relator retirou esse dispositivo do texto, argumentando que a regra não poderia ser aplicada ao servidor público e portanto poderia ferir o princípio da isonomia.

Assim como Zarattini cedeu e fez concessões no relatório da MP 664, o relator da MP 665, senador Paulo Rocha (PT-PA), também cedeu em relação ao texto original da MP enviado pelo Executivo, em alterações com impacto estimado em 2 bilhões de reais.

(Com Reuters)