Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

GM estima em quase cem o número de mortes por falha mecânica

A fabricante prevê pagar indenizações de um milhão de dólares por morte, 300 mil dólares para o cônjuge sobrevivente e 300 mil dólares para beneficiários

A fabricante de automóveis americana General Motors (GM) elevou para 97 a quantidade de mortos em acidentes decorrentes de uma falha na ignição em alguns de seus automóveis – o que acarretou no recolhimento tardio de 2,6 milhões de veículos no ano passado. O balanço anterior apontava 90 mortos.

Segunda maior companhia automobilística do mundo, atrás somente da japonesa Toyota, a GM é acusada de ter comercializado carros cujo sistema de ignição era tão sensível que o mínimo solavanco poderia causar o desligamento do motor em alta velocidade, trancando a direção e impedindo o acionamento dos airbags.

As falhas mecânica em alguns veículos da GM também deixaram pelo menos 12 feridos graves e 167 pessoas com ferimentos mais leves, de acordo com a última contagem atualizada em 1º de maio pelo fundo de indenização instalado pelo fabricante. Os números podem ser maiores, já que 669 casos continuam sendo analisados, dos quais 45 envolvem mortes. As vítimas e as famílias tiveram até o dia 31 de janeiro para apresentar seus casos.

Leia mais:

Volks coloca 8 mil funcionários em férias coletivas

Brasil derruba resultado de montadoras

O defeito mecânico, conhecido desde 2005 pela GM, deu origem a investigações feitas pelo Departamento de Justiça dos EUA, pelo organismo que controla os mercados financeiros (SEC) e pelo Congresso americano.

Em abril, a Justiça americana declarou prescrita a maioria das causas sobre mortes, acidentes e incidentes vinculados a esta falha ocorridas antes da quebra da GM em 2009. A companhia prevê pagar um milhão de dólares por morte, ao que se somam 300.000 dólares para o cônjuge sobrevivente e 300.000 dólares para cada um dos eventuais beneficiários. Para as vítimas que sofreram alguma sequela física, o valor da indenização varia de 20.000 dólares a 500.000 dólares.

(Com agência France-Presse)