Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Facebook tem melhor estreia de empresa tecnológica em Wall Street

Nova York, 18 mai (EFE).- As ações da rede social Facebook começaram a cotar nesta sexta-feira no mercado Nasdaq com uma alta de 13%, mas, após essa subida inicial, freavam seu avanço a 5%, o que ainda representa a melhor estreia de uma empresa tecnológica na história de Wall Street.

Os títulos da rede social, que com sua chegada na bolsa está avaliada em mais de US$ 100 bilhões, começaram a cotar no mercado Nasdaq às 11h30 locais (12h30 de Brasília), cerca de meia hora depois do planejado.

Apenas nos 30 primeiros segundos de negociações no mercado Nasdaq foram registradas trocas de mais de 82 milhões de ações da empresa, que até o momento alcançaram um preço máximo de US$ 43,02.

No entanto, passada essa forte alta dos primeiros minutos, o avanço da rede social que conecta mais de 900 milhões de pessoas no mundo todo freou e os títulos eram negociados a US$ 40,05.

O Facebook fixou na quinta-feira seu preço final de saída à bolsa em US$ 38, com o que arrecadou em sua oferta pública de venda de ações pelo menos US$ 16 bilhões, mas esse número pode aumentar até US$ 18,4 bilhões

Com base nesses números, a estreia do Facebook é a maior de uma empresa tecnológica dos Estados Unidos, muito acima da que protagonizou o Google em 2004, quando ingressou US$ 1,9 bilhão.

Além disso, com essa arrecadação de pelo menos US$ 16 bilhões, o Facebook cravou a terceira maior estreia em Wall Street da história de qualquer empresa americana, atrás apenas da General Motors (US$ 18,140 bilhões) e da Visa (US$ 19,650 bilhões).

Assim, a empresa fundada em 2004 chega a Wall Street avaliada em até US$ 104 bilhões, com o que supera grandes empresas americanas como McDonald’s, Citigroup e Amazon.

Para celebrar a ocasião, a cerimônia de abertura do Nasdaq se transferiu dos escritórios desse mercado na emblemática Times Square de Nova York até a sede do Facebook em Menlo Park (Califórnia), onde o fundador e executivo-chefe da rede social, Mark Zuckerberg, soou o sino que dá início às operações. EFE