Desemprego sobe e chega a 6,9% em 2015 no país

Em 2014, taxa de desocupação havia ficado em 4,3%, segundo o IBGE; renda média caiu 5,8%, para 2.235 reais

O Brasil encerrou 2015 com taxa de desemprego de 6,9%, segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O porcentual é maior que o de dezembro de 2014, quando a taxa de desocupação foi de 4,3%. O dado refere-se ao desemprego nas seis maiores regiões metropolitanas do país.

A taxa de 6,9% é a mais alta para o mês de dezembro desde 2007, quando chegou a 7,4%, segundo o IBGE. A taxa de desocupação média de janeiro a dezembro foi estimada em 6,8% no ano passado e em 4,8% em 2014. Essa elevação de dois pontos porcentuais, de acordo com o IBGE, foi a maior de toda a série anual da pesquisa e também interrompeu a trajetória de queda, registrada desde 2010.

Em 2015, o número médio de desocupados foi de 1,7 milhão de pessoas, volume 42,5% maior que o registrado em 2014, quando a média de pessoas sem ocupação profissional foi de 1,2 milhão. A despeito do aumento, o número de 2015 ainda é menor que o de 2003, quando a média de desocupados foi de 2,7 milhões de pessoas. Entre 2003 e 2015, o número de pessoas sem trabalho caiu 35,5%, o equivalente a 940.000 pessoas.

A renda média dos trabalhadores também caiu no ano passado. O recuo entre 2014 e 2015 foi de 5,8%, passando de 2.373 reais para 2.235 reais. Houve queda em todos os segmentos apurados pelo IBGE: Empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado (-3,3%), empregados sem carteira no setor privado (-5,1%), militares ou funcionários públicos estatutários (-1,8%), trabalhadores por conta própria (-4,1%) e empregadores (-6,2%).

Leia mais:

Confiança do comércio sobe 6,4 pontos em janeiro, afirma FGV

Juro do cheque especial chega a 287% em dezembro, o maior desde 1995

(Da redação)